This content is not available in your region

"Sala Mário Soares" inaugurada no Parlamento Europeu

Access to the comments Comentários
De  Isabel Silva
"Sala Mário Soares" inaugurada no Parlamento Europeu

Cerca de um ano após o falecimento de Mário Soares, o Parlamento Europeu, em Bruxelas, homenageou o antigo chefe de Estado e de Governo português, atribuindo o seu nome a uma das salas. 

"A Europa que ele ajudou a construir partilha connosco este orgulho reconhecido e inspirador"

António Costa Primeiro-ministro de Portugal

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, teceu alguns dos elogios ao homenageado: "Portugal tem muito orgulho em Mário Soares e sabemos que a Europa a que, em grande parte graças a ele, pertencemos e que ele ajudou a construir, partilha connosco este orgulho reconhecido e inspirador".

Soares foi o mestre da adesão de Portugal ao bloco comunitário em 1986, tendo feito o pedido de adesão em 1977.

António Costa sublinhou que "Soares lutou sempre por um Portugal europeu, lutou e militou também sempre por uma Europa moderna que esteja à altura da sua melhor tradição e dos altos desígnios dos seus pais fundadores".

Na cerimónia esteve um dos seus grandes amigos, o ex-chefe de governo espanhol Felipe Gonzalez, que usou o tom crítico também habitual em Soares para falar da crise dos valores europeus.

"Nao podemos considerar superada a crise até que as feridas da desigualdade que esta crise deixou na Europa e no mundo não se fechem de maneira justa", disse o histórico socialista espanhol.

Mário Soares faleceu a 7 de janeiro de 2017, aos 92 anos, sendo por muitos comparado a grandes líderes da segunda metade do século XX, tais como Willy Brandt, Olof Palme e François Mitterrand.

"Soares via na Europa Unida uma das mais admiráveis construções políticas e morais da história humana, de que os cidadãos e os povos europeus tinham o direito, e até o dever, de se orgulhar. Por isso, odiava a Europa dos burocratas e dos tecnocratas, a dos resignados e a dos conformistas, a dos financistas e a dos cínicos, a dos céticos e a dos desistentes", realçou, ainda, António Costa.