This content is not available in your region

Batalha orçamental divide líderes europeus na cimeira de Bruxelas

Access to the comments Comentários
De  Isabel Silva  com Lusa
Batalha orçamental divide líderes europeus na cimeira de Bruxelas
Direitos de autor  REUTERS/Yves Herman

Portugal pertence à metade dos países da União Europeia que defende o aumento das contribuições para o orçamento comunitário após 2020, mas há quem não queira abrir mais os cordões à bolsa.

O tema promete muito debate e está no topo da agenda da cimeira informal de líderes, sexta-feira, em Bruxelas.

"Se queremos ter novas prioridades e novas políticas no orçamento futuro, sem cortar em todas as outras políticas, então os países têm de pagar mais", disse Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia.

Por seu lado, o primeiro-ministro português, António Costa, disse que "é necessário que cada Estado esteja disponível para dar mais, como Portugal está disponível para contribuir mais para a União, mas também é importante que a União possa ter novos recursos próprios, de forma a não estar simplesmente dependente das contribuições dos Estados".

REUTERS/Francois Lenoir

O Reino Unido não participa na cimeira, que debate o futuro da comunidade depois do Brexit.

Esse país deixará de contribuir com cerca de 10 mil milhões de euros anuais, mas o líder holandês, Mark Rutte, defende que "temos de rentabilizar o dinheiro com um orçamento mais moderno e mais reduzido porque o facto é que o Reino Unido vai sair".

Há quem defenda cortes nos fundos de coesão e para a agricultura, mas outra ideia é cobrar novos impostos.

"Estamos a trabalhar seriamente no Parlamento Europeu sobre a possibilidade de criar novos recursos, como por exemplo com um imposto no setor digital, porque é inaceitável que essas empresas trabalhem na Europa e quase não sejam tributadas", explicou Antonio Tajani, presidente dessa instituição.

António Costa admitiu que as negociações serão complexas, mas instou os seus homólogos a fazer um esforço para que se chegue a um acordo ainda antes das eleições europeias que deverão ter lugar em maio de 2019.

"Eu acho que é muito importante que se faça um grande esforço para que tudo se resolva ainda nesta legislatura, porque quando um problema é difícil não fica mais fácil adiando a sua solução, simplesmente acumulam-se as dificuldades em encontrar soluções", referiu.

Outro tema da agenda são as eleições europeias de 2019, nomeadamente as questões da lista transnacional e a forma de escolher o novo presidente da Comissão Europeia.

"Por que haveríamos de ter candidatos principais se não puderem ser eleitos a nível comunitário? A lógica é que precisamos de criar listas transnacionais pelas quais sejam eleitos os candidatos principais", argumentou Xavier Bettel, primeiro-ministro do Luxemburgo.

Portugal é um dos países que está contra tornar obrigatória a eleição do presidente da Comissão Europeia com base em candidatos de partidos políticos europeus.

"A posição de Portugal é que os tratados sejam cumpridos. O Tratado sobre essa matéria, aliás, é muito semelhante ao que diz a Constituição portuguesa: o Conselho propõe ao Parlamento Europeu um candidato, tendo em conta os resultados eleitorais. Ora, naturalmente, é um poder do Conselho escolher o candidato", explicou António Costa.

O Parlamento Europeu ameaçou, no início do mês, rejeitar qualquer nome proposto pelos líderes europeus para o cargo de presidente da Comissão que não siga o modelo experimentado em 2014.