This content is not available in your region

Europeus investem em melhor mobilidade militar

Access to the comments Comentários
De  Isabel Marques da Silva  com Reuters
Europeus investem em melhor mobilidade militar
Direitos de autor  REUTERS/Alkis Konstantinidis

A Comissão Europeia anunciou, quarta-feira, um plano para permitir que o pessoal e o equipamento militares sejam transportados mais rapidamente no espaço europeu, algo também visto como vital pela NATO, no caso de um conflito com a Rússia.

Tal passa por modernizar e construir infra-estruturas de transportes, tendo a comissária com esta pasta, Violeta Bulc, explicado, em conferência de imprensa, que "vamos garantir que os investimentos sejam feitos da maneira mais eficiente possível e que as nossas prioridades estejam alinhadas por forma a desenvolver infra-estruturas adequadas para toda a União Europeia. Claro que, no futuro, essa estratégia será alinhada com a estratégia da NATO".

Face à crescente ameaça russa, a região nordeste europeia deverá ser prioritária (Finlândia, Estónia, Lituânia, Letónia, Polónia).

Até ao verão, os 28 Estados-membros vão enviar listas de sugestões e só depois o executivo europeu anunciará quais os planos e as verbas a investir.

"Não deverá haver um investimento volumoso, mas é óbvio que, no futuro, terão de ser levadas em conta as necessidades militares quando se fizerem planos para construir estradas, ferrovias e pontes. Implicará custos adicionais, mas não vão ser construídas estradas exclusivas para militares", disse, à euronews, Sven Biscop, analista militar no Instituto Egmont, em Bruxelas.

A Comissão Europeia frisou que os benefícios devem ser, também, para os cidadãos e as empresas, que com melhores infra-estruturas poderão viajar com maior segurança e aumentar os seus negócios. respetivamente.

Os exercícios de guerra russos "Zapad", no flanco leste da NATO, no final do ano passado, despertaram preocupações em Bruxelas (UE) e Washington (EUA) de que poderiam acidentalmente provocar um conflito no leste europeu, mas a NATO é agora incapaz de transportar, rapidamente, tropas em massa no território europeu.

Regulamentos complexos nos 28 países, pontes e túneis muito estreitos ou fracos para suportarem o peso de equipamentos pesados ​e poucos subsídios para a transferências de tropas, incluindo norte-americanas, dificultam a tarefa da NATO, dizem os comandantes.

"Ao facilitar a mobilidade militar dentro da União Europeia, podemos ser mais eficazes na prevenção de crises, mais eficientes na implementação de nossas missões e mais rápidos a reagir quando surgem desafios", disse a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, sobre o chamado Plano de Ação de Mobilidade Militar.

Depois de um programa-piloto, no ano passado, para identificar pontos fracos ao longo das rotas do Mar do Norte e do Mar Báltico, onde a Rússia realiza regularmente exercícios militares e construiu as suas defesas aéreas, a Comissão Europeia delineará, no ano que vem, melhores rotas em toda a Europa para o transporte militar.

A Comissão, que supervisiona o orçamento comum comunitário, também procurará simplificar os procedimentos alfandegários para munições e mercadorias perigosas e promover uma melhor cooperação entre as agências da União Europeia.