Ex-embaixador russo no Reino Unido teme conflito Rússia-Ocidente

Ex-embaixador russo no Reino Unido teme conflito Rússia-Ocidente
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Anatoly Adamishin alerta para as proporções inéditas do caso que está a abalar as relações entre a Rússia e o Reino Unido.

PUBLICIDADE

A Rússia e o Ocidente estão cada vez mais perto de um conflito militar. É esta a convicção do  ex-embaixador russo no Reino Unido, Anatoly Adamishin, na análise à expulsão de diplomatas em mais de vinte países na sequência do caso Skripal.

Em entrevista à euronews, o antigo oficial acredita mesmo que possa haver o corte de relações entre a Rússia e alguns países.

"Sem precedentes, na minha opinião, é o facto de que a expulsão de diplomatas está incluída na noção de sanções, porque as sanções geralmente foram, são e provavelmente serão limitadas ao comércio ou à economia - não lhe vou conceder empréstimos financeiros ou vender algo e assim por diante. Mas fazer da expulsão dos diplomatas uma sanção - e não por terem sido apanhados em flagrante - é uma nova medida dos britânicos. O segundo aspeto sem precedentes é que esta ação relacionada com um país foi apoiada por vários outros países, e foi apoiada precisamente nesta primeira forma sem precedentes: a expulsão de diplomatas como sanções", declarou.

Para Anatoly Adamishin, uma resposta do Kremlin é inevitável e poderá ter as mesmas proporções que as que mais de 20 países adotaram nas últimas duas semanas.

"A Rússia responderá com uma medida direta, como costumam dizer, por cada espirro. É possível que vários países entrem numa rota de agravamento da situação. Os britânicos já estão a dizer que estão a começar o arresto de imóveis ou capitais russos, os americanos estão a ameaçar que, se os russos responderem - e nós vamos definitivamente responder - então vão pensar noutra medida".

Paralelamente, o antigo diplomata lamentou o extremar de posições diplomáticas e alertou para os riscos dessa situação caso surja mesmo um confronto militar.

"Durante todos estes anos a possibilidade de um conflito militar foi considerada absolutamente impensável. Agora há realmente esse receio por causa desta situação de tensão. Com algum incidente ou uma faísca, podemos vir a enfrentar um desfecho desagradável e, além disso, desta vez não teremos oportunidades de contactos diplomáticos", rematou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europeus investem em melhor mobilidade militar

Rússia aborta lançamento do foguetão Angara-A5 a minutos da descolagem

Rússia e Cazaquistão vivem "piores cheias em décadas"