EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Macron criticado em Estrasburgo pelo ataque à Síria

Macron criticado em Estrasburgo pelo ataque à Síria
Direitos de autor 
De  Nelson Pereira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os eurodeputados apontaram a Macron que o ataque contra Damasco foi realizado sem um mandato das Nações Unidas e sem esperar pelos resultados da missão de investigação da Organização para a Proibição das Armas Químicas

PUBLICIDADE

Emmanuel Macron criticado esta terça-feira no Parlamento Europeu pela participação francesa na operação militar contra Damasco.

Alguns dos líderes de grupos parlamentares europeus lembraram ao presidente francês que a operação militar contra a Síria, na madrugada de sábado, foi realizada sem um mandato das Nações Unidas e sem esperar pelos resultados da missão de investigação da Organização para a Proibição das Armas Químicas, que chegou horas depois a Damasco.

O ataque contra a Síria remeteu a União Europeia a uma posição irrelevante - frisou a eurodeputada Marisa Matias, presidente da Delegação do Parlamento Europeu para as Relações com os países do Levante.

Macron apelou a uma reforma da UE contra o nacionalismo e o egotismo, que diz ameaçarem a coesão europeia. O antigo primeiro-ministro belga Guy Verhofstadt, presidente da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE), recordou ao presidente francês que Paris bombardeou Damasco sem ouvir os parceiros europeus:

"Esta intervenção militar demonstra a nossa fraqueza, pois foi a França que atacou, foi o Reino Unido que lançou mísseis, não foi a União Europeia. Sessenta e cinco anos depois de o parlamento francês ter torpedeado o projeto da Comunidade Europeia de Defesa - o que alguns já esqueceram - a Europa continua sem um exército."

Irritado pelas críticas dos eurodeputados, Macron recorreu ao tipo de argumento usado na véspera pela primeira-ministra britânica Theresa May: os bombardeamentos foram realizados "para defender a honra da comunidade internacional."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Não queria matar pessoas que não partilham as minhas opiniões"

Sul da Europa atingido por onda de calor extremo

"Quanto mais softwares interligados tivermos, mais vulneráveis estamos", avisa especialista