EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Nomeados controversos para o executivo europeu

Nomeados controversos para o executivo europeu
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da SilvaSandor Zsiros
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A lista de nomeados para a Comissão Europeia inclui alguns nomes envoltos em controvérsia, nomeadamente os candidatos vindos da Hungria, Polónia, Roménia, França e Espanha.

PUBLICIDADE

A lista de nomeados para a Comissão Europeia inclui alguns nomes envoltos em controvérsia. O ex-ministro da Justiça da Hungria, Laszlo Trocsany (entre 2014 e meados de 2019), implementou leis que poderão violar o princípio do Estado de direito e valores da União Europeia, tal como a famosa Lei Soros (contra organizações não-governamentais).

A nomeada pela França, Sylvie Goulard, devolveu 45 mil euros ao Parlamento Europeu após uma investigação sobre o uso indevido de verbas para pagar assistentes quando era eurodeputada (2009-2017). Quando o caso foi conhecido, em meados de 2017, Goulard apresentou demissão do cargo de ministra da Defesa, onde só esteve um mês.

O espanhol Josep Borrell teve de renunciar à presidência do Instituto Universitário Europeu devido a alegações de conflito de interesses. O nomeado para chefiar a diplomacia da União Europeia é conhecido por linguagem "pouco diplomática", nomeadamente sobre a crise independentista da Catalunha, de onde é natural.

Outro caso que poderá ser problemático nas audições no Parlamento Europeu, no final de setembro, é o da recém-eleita eurodeputada romena Rovana Plumb. Em 2017, a política era membro do governo e viu-se envolvida num escândalo de corrupção, envolvendo a concessão de uma ilha no rio Danúbio a empresas privadas.

O candidato polaco Janusz Wojciechowski é agora membro do Tribunal de Contas Europeu, mas está a ser alvo de uma investigação do Organismo Europeu de Luta Antifraude, soube-se na semana passada. Em causa estão alegadas irregularidades com o reembolso de despesas de viagem quando era eurodeputado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como vai Elisa Ferreira gerir fundos da UE?

Portugal nomeia Elisa Ferreira para comissária europeia

Ursula von der Leyen conquista a Comissão Europeia