Tomada de posse da Comissão Europeia poderá ser adiada

Tomada de posse da Comissão Europeia poderá ser adiada
De  Isabel Marques da SilvaElena Cavallone
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Está prevista para 1 de novembro, mas a tomada de posse da próxima Comissão Europeia presidida por Ursula von der Leyen poderá ter de ser adiada. Face à rejeição pelo Parlamento Europeu dos nomeados por França, Roménia e Hungria, terá de ser alargado o processo de audições.

PUBLICIDADE

Está prevista para 1 de novembro, mas a tomada de posse da próxima Comissão Europeia presidida por Ursula von der Leyen poderá ter de ser adiada.

Face à rejeição pelo Parlamento Europeu dos nomeados por França, Roménia e Hungria, terá de ser alargado o processo de audições.

A Hungria e Roménia já tinham indicado novos nomes, mas a queda do governo socialista em Bucareste poderá causar mais atrasos. O presidente francês, Emmanuel Macron, ficou chocado com a decisão sobre Sylvie Goulard, quinta-feira, mas vai ter de apresentar outro nomeado.

As audições são precedidas por uma apreciação sobre conflitos de interesses financeiros por parte da comissão parlamentar de Assuntos Jurídicos.

Face a esta complexidade, Alberto Alemanno, professor de Direito da União Europeia na HEC Paris, considera que "Ursula von der Leyen precisa que a sua equipa seja aprovada por uma maioria sólida do Parlamento. Mas, atualmente, não tem uma equipa nem uma maioria que apoie a sua agenda política".

PE afirma o seu poder

Alguns analistas vêm a decisão do Parlamento de vetar tantos candidatos como um exercicio de afirmação de poder dos eurodeputados.

A câmara ficou chocada com a decisão dos chefes de Estado e de Governo de não escolherem um dos candidatos principais das eleições europeias de maio.

"O processo de audições é uma amostra do que poderá acontecer nos próximos cinco anos. O Parlamento Europeu quer ser ouvido. Os chefes de Estado e de governo devem perceber que não podem impor pessoas ou uma determinada agenda política, mas que essas propostas terão de conseguir apoio da maioria do Parlamento Europeu", acrescentou Alberto Alemanno.

Cabe a Ursula Van der Leyen avaliar, com os três Estados-membros em causa, a escolha de pessoas que tenham grande probabilidade de passarem nas audições. 

O voto em plenário, sobre o conjunto de comissários, está marcado para 24 de outubro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Breves de Bruxelas": deslisuão nos Balcãs e atraso na nova Comissão

Eleições na Croácia colocam primeiro-ministro contra presidente

UE e Reino Unido chegam a acordo sobre "grandes linhas políticas" relativamente a Gibraltar