EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Eurodeputados antevêem cimeira da UE renhida

Eurodeputados antevêem cimeira da UE renhida
Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Darren McCaffrey
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A euronews falou com eurodeputados sobre o que se espera da cimeira de líderes da União Europeia, por videoconferência, que começa quinta-feira. Os governos dividem-se sobre o recurso a empréstimos, subsídios a fundo perdido ou emissão de dívida pública conjunta.

PUBLICIDADE

Como relançar a economia na União Europeia, reabrindo o setor produtivo com medidas de segurança para os trabalhadores? Com muito dinheiro, mas os governos dividem-se sobre o recurso a empréstimos, subsídios a fundo perdido ou emissão de dívida pública conjunta.

A euronews falou com eurodeputados sobre o que se espera da cimeira de líderes da União Europeia, por videoconferência, que começa quinta-feira.

Andreas Schwab, eurodeputado alemão de centro-direita: “O que precisamos neste momento é de ajuda para as pessoas mais necessitadas. O que não podemos fazer é mudar as regras do tratado da União Europeia, porque esse processo não é oportuno. A chanceler alemã Angela Merkel diria que não é uma opção, mas dirá que um grande aumento no orçamento da União Europeia, combinado com outras medidas tais como o Mecanismo Europeu de Estabilidade e outras linhas de crédito, poderá ajudar os Estados-membros a superar esta crise juntos”.

Jonáz Fernández, eurodeputado espanhol de centro-esquerda: "A questão é que precisamos de subsídios a fundo perdido para os Estados membros, porque quando acabar esta primeira fase da crise, a dívida pública nacional será muito, muito alta. Alguns países terão um grande problema em se financiarem nos mercados".

Elisabetta Gualmini, eurodeputada italiana de centro esquerda: "Não é correto dizer que os eurobonds sejam uma questão de vida e morte para a União Europeia, porque já existe um amplo conjunto de instrumentos financeiros".

A difícil questão da dívida

Itália e Espanha são dois dos países mais afetados pela pandemia e que têm dívidas públicas muito elevadas, o que dificulta o seu financiamento nos mercados. Que instituições e que instrumentos financeiros podem servir esse propósito?

Jonáz Fernández, eurodeputado espanhol de centro-esquerda: “Haverá alguns países com menos dívida pública que terão maior capacidade para alavancar a economia nacional após a crise. E haverá outros países que não conseguirão dar esse apoio economia, pelo que essa é a questão que se tem de resolver. Se quisermos manter o mercado interno unido e assegurar o futuro para a União Europeia, precisamos de uma resposta comum".

Andreas Schwab, eurodeputado alemão do centro-direita: "Esse objetivo é muito justo. Penso que a Comissão Europeia mostrou que se preocupa e tomou medidas importantes, nomeadamente o programa SURE para travar o desemprego. Muito do debate que decorre agora nos Estados-membros é de âmbito puramente nacional e não faz nenhum serviço à causa europeia”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurodeputados exigem compromisso na cimeira da UE

Cimeira da UE debate pacote bilionário de retoma económica

Bruxelas usa roteiro para recuperar coordenação da crise?