Bélgica contrata dois mil inquiridores para desconfinamento

Bélgica contrata dois mil inquiridores para desconfinamento
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaGregoire Lory
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Bélgica está a recrutar duas mil pessoas para a monitorização de novos casos de Covid-19 durante a fase de desconfinamento, numa espécie de grupo de detetives a trabalhar a partir de centros de atendimento de chamadas telefónicas.

PUBLICIDADE

Uma estratégia para identificar as pessoas infetadas com Covid-19 quando se avança para o gradual desconfinamento da população é uma grande prioridade para os governos.

A Bélgica está a recrutar duas mil pessoas para organizar essa monitorização, numa espécie de grupo de detetives a trabalhar a partir de centros de atendimento de chamadas telefónicas.

"Em cada novo caso de contaminação, o inquiridor vai telefonar ao infetado para obter informação sobre as pessoas com quem esteve em contacto nos últimos 14 dias. Com base nisso, o inquiridor vai telefonar ao máximo de pessoas para as informar de que estiveram em contacto com um caso positivo de Covid-19 e fazer-lhes várias recomendações. Obviamente que não se dá o nome da pessoa que foi infetada", explicou Gilles Vanden Burre, deputado federal ecologista belga, em entrevista à euronews.

Durante as chamadas, não podem ser transmitidas informações confidenciais sobre a identidade e o estado de saúde do infetado, ou sobre o local e o dia onde poderá ter ocorrido a potencial contaminação. Mas as autoridades de saúde e o governo precisam destes dados para ajustar estratégias.

"Quando se entrar na etapa de aligeirar o confinamento da população e de reabertura do comércio, vamos assistir ao reagrupamento de famílias e de amigos muito rapidamente. Mesmo que sejam pequenos grupos, é essencial poder identificar casos de contaminação em  detalhe para analisar a evolução da pandemia. Caso contrário, há o risco de ter um novo pico em poucos meses e de termos de repôr fortes medidas de contenção , o que ninguém deseja", afirmou Gilles Vanden Burre.

O quadro legislativo já existe, pois esse tipo de monitorização já foi usado para outras doenças.

O governo belga ainda está a refletir sobre o uso de aplicações em telemóveis dos cidadãos para este efeito.  Mesmo que venha a ser aprovado, será apenas um complemento de outras medidas em curso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bélgica flexibiliza alguns medidas na pandemia de Covid-19

Bélgica adapta recolha de lixo para evitar contaminação

Bélgica aposta em testar só casos graves de Covid-19