Líderes debateram acordo comercial UE-Reino Unido

Líderes debateram acordo comercial UE-Reino Unido
Direitos de autor Frank Augstein/Copyright 2016 The Associated Press. All rights reserved. This material may not be published, broadcast, rewritten or redistribu
De  Isabel Marques da SilvaJoanna Gill
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As rondas negociais sobre o futuro acordo comercial estavam num impasse, tendo as partes participado na videoconferência de líderes, segunda-feira, para dar novo impulso ao processo.

PUBLICIDADE

Os presidentes de três instituições da União Europeia tiveram a primeira conversa de alto-nível com o primeiro-ministro britânico, Boris Jonhson, sobre o acordo pós-Brexit.

As rondas negociais sobre o futuro acordo comercial estavam num impasse, tendo as partes participado na videoconferência de líderes, segunda-feira, para dar novo impulso ao processo, estando presentes Ursula von der Leyen, pela Comissão, Charles Michel, pelo Conselho e David Sassoli, pelo Parlamento europeus.

Faltam cerca de seis meses para o fim do período de transição e o Reino Unido confirmou, oficialmente, que não pedirá um prolongamento.

A União aceita a decisão britânica e promete oferecer a melhor proposta "no interesse dos cidadãos".

Os pontos de discórdia prendem-se com as regras de concorrência comercial, a cooperação judiciária e a pesca.

Os analistas estão cautelosos sobre a capacidade de entendimento para evitar o tão temido Brexit sem acordo.

"Penso que ainda não há a atmosfera política desejável e Boris Johnson poderá não ser capaz de chegar a acordo até o final do ano. Ele precisa de apresentar o acordo como uma vitória sobre a União Europeia", disse Sam Lowe, analista do Centro de Reforma Europeia, em Londres, em entrevista à euronews.

"É possível que a União Eurppeia tenha que fazer concessões ao nível da pesca e afastar-se da visão maximalista sobre os auxílios estatais. Johnson poderia vender o acordo como uma vitória para o público britanico eurocético. Obviamente, quando se lerem os detalhes do acordo, vai perceber-se que o Reino Unido teve de alterar, significativamente, algumas das suas posições", acrescentou o analista.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Donald Trump ameaça Europa e mercados não gostam

Nicolas Schmit nomeado cabeça de lista pelos socialistas para as eleições europeias

Euronews em força nas eleições europeias que vão marcar uma era