EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Merkel: "Crise deve ter uma resposta massiva e poderosa"

Merkel: "Crise deve ter uma resposta massiva e poderosa"
Direitos de autor KAY NIETFELD/AFP or licensors
Direitos de autor KAY NIETFELD/AFP or licensors
De  Isabel Marques da SilvaStefan Grobe
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O governo liderado por Merkel está ciente das expectativas muito altas da presidência alemã, mas vai tentar imprimir um espírito mais otimista para enfrentar os desafios em curso.

PUBLICIDADE

A chanceler alemã, Angela Merkel, começou na prática a presidir ao conselho da União Europeia com uma reunião por videoconferência, quinta-feira, com a Comissão Europeia. A presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, enfatizou que os próximos seis meses serão cruciais para a luta contra a pandemia e o seu impacto económico.

"A pressão do tempo é enorme, mas é a crise que define o ritmo. Cada dia perdido significa que há pessoas a perderem os empregos, empresas a falirem, há um enfraquecimento das nossas economias. Então, todo s os dias contam", disse von der Leyen, na conferência de imprensa após a reunião com o governo alemão.

Questionada sobre as difíceis negociações para aprovar o tão esperado plano de recuperação da UE, no valor de quase dois biliões de euros, a chanceler alemã exortou os líderes dos Estados-membros a agirem ousadamente.

"Todos sabemos que a resposta a esta crise absolutamente sem precedentes deve ser uma resposta massiva e poderosa", disse Merkel.

Sondagens junto dos cidadãos europeus revelam que há muita angústia com o futuro do bloco e são  feitos pedidos para uma cooperação mais estreita.

Uma da prioridades defendidas é o fortalecimento da indústria europeia, segundo um estudo encomendado pelo Conselho Europeu de Relações Externas.

"Quando colocámos a pergunta sobre como é que a Europa deveria mudar após esta crise, uma das respostas mais dadas, atingindo os 50% em França e na Alemanha, foi que se deveria proteger as cadeias de abastecimento dos produtos médicos mais cruciais", disse Susi Dennison, analista do Conselho Europeu de Relações Exteriores, em entrevista à euronews.

O governo liderado por Merkel está ciente das expectativas muito altas da presidência alemã, mas vai tentar imprimir um espírito mais otimista para enfrentar os desafios em curso.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas revela cenário sombrio para economia da UE

Paris e Berlim reforçam propósito de relançamento da União Europeia

Novo estudo revela que cruzeiros poluem mais do que aviões e carros