EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Bruxelas revela cenário sombrio para economia da UE

Bruxelas revela cenário sombrio para economia da UE
Direitos de autor Emilio Morenatti/AP2020
Direitos de autor Emilio Morenatti/AP2020
De  Isabel Marques da SilvaMaria Psara
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O possível orçamento de quase dois biliões de euros (2021-2027) deverá ser debatido na cimeira da União, 17 e 18 de julho, à luz deste agravamento.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia agravou as previsões económicas para o bloco dos 27 países face aos choques da Covid-19, apesar de já estar em curso o desconfinamento.

Nas chamadas previsões de verão, esta terça-feira, o executivo comunitário anunciou que o PIB deverá cair 8,3%, na média dos Estados-membros, em 2020.

A situação é muito negativa para o sul da Europa, com países acima dos 10% de contração, tais como Espanha, Itália e França. No caso de Portugal, a previsão é de 9,8% do PIB, muito acima da anterior projeção de 6,8%.

Mas o comissário europeu para a Economia, Paolo Gentiloni, acredita que a recessão não se prolongará: "Cada um dos Estados-membros terá uma quebra no crescimento este ano e cada um deles deverá voltar ao crescimento no ano que vem".

Contudo, a incerteza continua a ser o principal problema, reconhece a comissão, já que poderá haver uma segunda vaga que exija novo confinamento.

Aprovar o novo orçamento da UE rapidamente

Por isso, Gentiloni realça a necessidade de aprovar rapidamente o plano de recuperação para os próximos sete anos, apesar das divergências sobre um novo fundo comum com emissão de dívida conjunta a cargo da Comissão Europeia.

"Na família europeia, não se pode aceitar essa ideia de que as divergências possam ser consolidadas e se prolongarão no futuro. Tal criaria problemas para o mercado único e para a força da zona euro", acrescentou Gentiloni.

O possível orçamento de quase dois biliões de euros (2021-2027) deverá ser debatido na cimeira da União, 17 e 18 de julho, à luz deste agravamento.

"Não estou nem otimista nem pessimista. Estou confiante na consciência que existe por parte de todos os chefes de Estado e de governo da necessidade de ter uma reação europeia comum. Sei que a discussão não será fácil, mas estou totalmente confiante nessa consciência e em que teremos um acordo antes das férias de verão", concluiu o comissário europeu para a Economia.

O primeiro-ministro de Portugal, António Costa, viajará para Bruxelas para se reunir com os restantes líderes, depois de meses de reuniões por videoconferência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comércio a retalho queixa-se da fraca atividade

Desemprego em 2020 supera o da crise de 2008

Merkel: "Crise deve ter uma resposta massiva e poderosa"