Futuro incerto para as crianças do Estado Islâmico detidas na Síria

Futuro incerto para as crianças do Estado Islâmico detidas na Síria
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

UE alvo de críticas pela ausência de uma abordagem comum relativamente ao repatriamento das crianças detidas no nordeste da Síria

PUBLICIDADE

Desde o colapso do Estado Islâmico no ano passado que alguns países europeus repatriaram dezenas de extremistas que se encontravam detidos em campos no nordeste da Síria.

A França e a Bélgica são os países mais recentes a aceitarem crianças provenientes dos campos.

Muitos contudo permanecem em situação incerta.

A ausência de decisões políticas tem consequências sobre o bem-estar das crianças o que aumenta ainda os riscos futuros em termos de segurança.

"A abordagem europeia é acima de tudo uma abordagem política na realidade. Cada estado terá um sistema próprio para lidar com as crianças. Em termos globais, os estados têm a obrigação de proteger o interesse superior da criança mas ao nível da política europeia, é aí que existe um problema. Todos sabrm o que fazer uma vez chegadas as crianças, mas todos viram a cara quando quando se trata de decidir como trazê-los para cá, É aí que está o problema, é aí que precisamos de uma decisão política e não apenas legal", afirma o advogado belga Nicolas Cohen.

As forças curdas que controlam os campos na Síria apelaram à repatriação de todos os estrangeiros afirmando que não é possível mantê-los presos por tempo indeterminado numa região marcada pela instabilidade.

"Não existe coordenação europeia nesta questão. Há um ano que veno a insistir dado o que se passa no terreno, dadas as dificuldades dos estados-membros em recolherem provas legais no terreno, é que exista cooperação europeia, tanto do lado prático para se repatriarem pessoas mas também peritos para o local a fim de trabalharem com as autoridades no terreno", adianta Saskia Bricmont, eurodeputada e membro dos Verdes/ALE.

Grupos de defesa dos direitos humanos afirmam que deixar as crianças na Síria é uma ameaça à sua saúde física e mental abrindo a porta a uma nova geração de extremistas.

Muitas crianças são utilizadas pelo Estado Islâmico para o transporte de armas, são sujeitas a violência sexual e utilizadas em atentados suicida.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bélgica vai repatriar filhos de combatentes jihadistas

Presidentes da Rússia e da Turquia discutem situação na Síria

UE: Ativistas de monitorização de lóbi alertam para pressão abusiva