Covid-19 causou "perturbação catastrófica" no cancro

Covid-19 causou "perturbação catastrófica" no cancro
Direitos de autor JEFF PACHOUD/AFP
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um terço dos países europeus registou atrasos no diagnóstico e tratamento, especialmente durante a primeira vaga, na primavera passada., segundo a Organização Mundial de Saúde.

PUBLICIDADE

A pandemia de Covid-19 causou uma "perturbação catastrófica" nos serviços de tratamento de cancro na região europeia, segundo a Organização Mundial de Saúde, num comunicado sobre o Dia Mundial de Luta contra o Cancro, que se celebra a 4 de fevereiro.

Um terço dos países europeus registou atrasos no diagnóstico e tratamento, especialmente durante a primeira vaga, na primavera passada. 

Um fator que vai prejudicar as taxas de cura ou de sobrevivência de centenas de milhares de pacientes e que foi confirmado à euronews por uma oncologista belga e um cientista britânico.

"Em abril, o registo foi de menos 44% de novos casos diagnosticados. Em setembro foi de menos 14%. Conseguimos recuperar algum atraso no diagnóstico, mas esses 14% significam que há cinco mil pessoas com cancro que não foram diagnosticadas em setembro", disse Anne Boucquiau, diretora médica da Fundação Belga contra o Cancro.

“Quatro em cada dez pacientes não conseguiram receber, por exemplo, a quimioterapia na altura devida. Efetivamente, a pandemia teve um efeito devastador nos pacientes com cancro e nos serviços de oncologia por toda a Europa”, afirmou Mark Lawler, investigador e membro do Conselho da Organização Europeia do Cancro.

A Comissão Europeia prometeu desenvolver um plano de contingência para evitar que se repitam estes atrasos.

O novo Plano de Combate ao Cancro vai, por exemplo, reforçar os serviços de telemedicina e a monitorização à distância.

Campanhas de sensibilização e mais investigação

Mas os especialistas dizem que há que levar em conta a fadiga mental e a angústia económica.

“As pessoas têm o espírito focado na pandemia, as imagens são muito perturbadoras e stressantes. Há pessoas em situação económica dramática, pelo que haverá muitas delas que deixarão de se cuidar e de dar atenção à saúde. Vão adiar a visita ao médico mesmo quando têm alguns sintomas preocupantes. Um dos cancros no qual baixou muito o número de diagnósticos foi o da pele, mas não há motivo para não ir ao médico se houver algum sinal ou para se fazer um rastreio ”, explicou a oncologista disse Anne Boucquiau.

Na primeira fase da pandemia, vimos uma queda na atividade dos ensaios clínicos e também na tradução de estudos, que chegou nalguns casos aos 80%. É fundamental que continuemos a fazer investigação.
Mark Lawler
Investigador e membro da Organização Europeia do Cancro

A Organização Europeia do Cancro sugeriu aos governos que criem campanhas de sensibilização na imprensa. Esta é uma das sete recomendações apresentadas pela organização à União Europeia, que também destaca a necessidade de maior financiamento na investigação biomédica.

"Na primeira fase da pandemia, vimos uma queda na atividade dos ensaios clínicos e também na tradução de estudos, que chegou nalguns casos aos 80%. É fundamental que continuemos a fazer investigação. Ficou demonstrado que só dessa forma se pôde desenvolver rapidamente as vacinas para a Covid-19. Também devemos assegurar que continuamos a investir na investigação sobre o cancro, de modo a ter melhores meios de diagnóstico e de tratamento dos pacientes ".

A Comissão Europeia anunciou que vai estabelecer, já este ano, um novo Centro de Conhecimento sobre o Cancro e um Registo das Desigualdades no acesso aos tratamentos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agricultores criticam "medidas neoliberais", em protesto junto das instituições da UE

Esquerda europeia elege Walter Baier como candidato principal para as eleições de junho

Macron enfrenta manifestantes na Feira de Agricultura de Paris