EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Cimeira da UE debate vacinação e controlo nas fronteiras

Cimeira da UE debate vacinação e controlo nas fronteiras
Direitos de autor Natacha Pisarenko/AP
Direitos de autor Natacha Pisarenko/AP
De  Isabel Marques da SilvaDarren McCaffrey
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nos países onde o confinamento e a vacinação estão a dar bons resultados já se planeia aligeirar as restrições, mas a contaminação continua fora de controlo noutros Estados-membros.

PUBLICIDADE

A gravidade da pandemia tem levado os líderes da União Europeia  a reunirem-se, no final de cada mês, através de videconferência, para fazerem o ponto da situação no combate à Covid-19.

No convite por escrito para a reunião de quinta-feira e sexta-feira, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse: "A nossa prioridade continua a ser acelerar a vacinação em toda a União Europeia. Isso significa acelerar o processo de autorização de vacinas, bem como sua produção e entrega".

Mas face às disparidades nos progressos de combate à pandemia entre os 27 países, o eurodeputado irlandês dos verdes, Ciarán Cuffe, sugere maior intervenção do executivo comunitário.

“A presidente Ursula von der Leyen deveria olhar para os países onde a vacinação tem sido extremamente limitada e oferecer a sua ajuda, conselhos e qualquer outro tipo de assistência que seja necessária. Poderia tomar por base os países onde as coisas estão a correr bem, como por exemplo na Dinamarca, e perguntar aos países mais atrasados se pode dar-lhes alguma ajuda, seja com pessoal médico, financiamento ou logística”, explicou Ciarán Cuffe.

Repor a livre circulação é uma grande prioridade

Nos países onde o confinamento e a vacinação estão a dar bons resultados já se planeia aligeirar as restrições, mas a contaminação continua fora de controlo noutros Estados-membros.

Algo com grande impacto no sistema de livre circulação e nas perspetivas de turismo no interior da União Europeia, pelo que voltará a discutir-se a controversa ideia de um certificado ou passaporte para quem tem maior imunidade.

“Um passaporte europeu que poderia, de alguma forma, dar acesso privilegiado ou liberdade de movimento a alguns cidadãos face a outros é algo muito difícil de conciliar com a liberdade de movimento na União Europeia", afirmou Alberto Alemanno, professor de direito comunitário na HEC Paris.

"Certamente que é algo que estará condicionado a um maior índice de vacinação, pelo que estamos muito longe do momento ideal para discutir esse passaporte. Mas diria, também, que implica outros riscos jurídicos porque, no final das contas, é um conceito bastante discriminatório por natureza, já que apenas certas categorias de indivíduos estão, atualmente, a ser vacinados", acrescentou o jurista.

Portugal é um dos países mais dependentes do turismo, pelo que o governo está disponível para avaliar o potencial desta ideia.

Contudo, como continua a ter um elevado grau de confinamento devido ao alto nível de contágio, está também entre os países mais dependentes do aumento do ritmo da vacinação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes da UE querem reforçar autonomia e integração militar

Otimismo regressa ao plano de vacinação da União Europeia

Presidente da Argentina recebe medalha de ouro em Madrid, sem direito a honras de Estado