Doel: Uma cidade fantasma com uma janela aberta para o futuro

Doel: Uma cidade fantasma com uma janela aberta para o futuro
Direitos de autor Meabh McMahon/Euronews
Direitos de autor Meabh McMahon/Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Artistas usam muros, fachadas e edifícios para criar arte urbana, que depressa atraiu legiões de turistas

PUBLICIDADE

Em tempos, foi uma agitada cidade da Flandres Oriental, com cerca de mil habitantes. Atualmente, Doel, localizada perto da fronteira da Bélgica com os Países Baixos, conserva uma paisagem nuclear e alberga menos de vinte pessoas, como Kevin e o filho Rover, de três anos.

Nascido e criado na região, Kevin luta há anos pela sobrevivência da cidade e tem deixado a marca em muitas das casas por onde passa.

"Quando tinha 18 anos, decidiram livrar-se de Doel. Ficámos a saber que tínhamos de ir embora. Então os meus pais venderam a casa. Foi a primeira vez que percebi que algo especial estava a acontecer aqui", sublinhou, em entrevista à Euronews.

Kevin refere-se à decisão do governo flamengo de demolir Doel. Remonta à década de 90 e o plano era expandir o porto de Antuérpia, para ter mais espaço e para as embarcações atracarem.

Mas mais de duas décadas depois, a cidade está ao abandono porque os planos do governo mudaram constantemente e porque os moradores resistiram.

Para os turistas, a cidade fantasma tornou-se num museu a céu aberto de arte de rua e grafitis. Um lugar especial que já foi alvo de vandalismo, pilhagem e até serviu de palco para festas raves.

A polícia patrulha, agora, a área para afastar problemas.

Os políticos dizem-se atentos e procuram formas para resgatar a cidade que outros tentaram destruir no passado.

O novo plano passa por manter Doel e avançar com a expansão do porto, como referiu Matthias Diependaele, ministro flamengo do orçamento e habitação: "Desde há alguns meses, sou responsável por algumas negociações com organizações ambientais. Tanto quanto sei, as negociações são um sucesso e estou muito esperançoso numa boa conclusão. Acredito que um conflito muito mau de vinte anos chegará, espero, ao fim. O mais tardar no final deste ano."

Com tantos danos feitos em Doel, difícil será dizer algum dia que esta história tem um final feliz.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": Escândalos políticos "aquecem" campanha eleitoral

Lei da "influência estrangeira" afasta Geórgia da UE, alerta Charles Michel

Presidente do Conselho Europeu alerta para "horas críticas" nos ataques Israel-Irão