EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Europa e a sombra do extremismo

Europa e a sombra do extremismo
Direitos de autor Francois Mori/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Francois Mori/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Pedro Sacadura
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Décadas depois do 11 de setembro, UE também está mais forte, com medidas de proteção reforçadas, mas a ameaça terrorista está longe de adormecida

PUBLICIDADE

Há duas décadas, a Europa acompanhava, à distância, os atentados terroristas do 11 de setembro que deixaram o mundo inteiro boquiaberto.

Sem saber, a União Europeia também viria a ser novamente vítima do extremismo. Os europeus tiveram de adaptar-se a uma ameaça silenciosa e de aprender várias lições.

Mas estará a Europa no caminho certo para prevenir eventuais ataques a serem preparados?

Os especialistas em matéria de inteligência e segurança lembram que não há escudos antiterrorismo à prova de bala, fora das fronteiras europeias.

"Fizeram-se progressos depois de 2001. Mais tarde, infelizmente, houve os ataques de Madrid, de Londres. Adaptámos a legislação e demos mais recursos. Acredito que é preciso fazer o que França e outros países estão a fazer atualmente na região do Sahel. Porque é que estamos no Sahel?  Claramente para manter a ameaça o mais longe possível das fronteiras europeias. Pode parecer uma política perigosa, questionável do ponto de vista legal e político. É uma questão de segurança para a Europa", sublinhou, em entrevista à Euronews, Claude Moniquet, diretor-executivo do Centro Europeu de Inteligência Estratégica e Inteligência.

A retirada dos EUA do Afeganistão, 20 anos depois do início da intervenção militar no terreno, deixou um vazio estratégico e o caminho aberto para novas ameaças.

Com o controlo dos talibãs, os interesses europeus na região podem vir, potencialmente, a ser alvo da ameaça terrorista. Mas há outros riscos, acrescentou Moniquet: "Existem dois riscos sérios. O primeiro, ainda que limitado, é ter terroristas a chegar à Europa como refugiados, tal como aconteceu em 2013 e 2014, oriundos da Síria, e que provocaram os atentados de Paris e Bruxelas. Acima de tudo, esta é uma vitória para a jiade global. A tomada de Cabul pelos talibãs foi considerada uma vitória. Podemos perceber isso claramente nas redes sociais e esse facto pode dar um novo impulso à jiade."

Em particular a grupos como a Al-Qaeda e o autodenominado Estado Islâmico, presentes no Afeganistão. Um sinal de alerta para a Europa e para o mundo de que o Afeganistão pode assumir-se como terreno fértil para a exportação do extremismo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Von der Leyen: "Não podemos parar ditadores mas podemos lutar pela democracia"

Futuro de Von der Leyen decidido em votação renhida no Parlamento Europeu

Partido Trabalhista britânico apresenta plano de “renovação nacional” na abertura do Parlamento