EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Tecnologia digital e o impacto para o clima

Tecnologia digital e o impacto para o clima
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Setor tecnológico também contribui para as emissões de gases com efeito de estufa. Um dano que se tem agravado com a emergência do teletrabalho

PUBLICIDADE

Quando se discute o clima, os pequenos gestos do dia-a-dia fazem toda a diferença.

Participar numa videoconferência, ver vídeos no smartphone ou simplesmente trocar fotografias num tablet contribuem, e muito, para as emissões de C02. Aceder a um website também tem um custo significativo.

Em causa estão não só a energia necessária para alimentar dispositivos e redes sem fios, como também a energia consumida pelos data centers e servidores necessários para dar suporte à Internet e armazenar conteúdo, por exemplo.

"Aceder a um website emitirá gases com efeito de estufa. Ao aceder a um website de um meio de comunicação social, por exemplo, basta clicar na homepage para consumir uma grande quantidade de dados. Em média, corresponde a cerca de 20 a 30 metros de distância percorrida num veículo, só para que a homepage possa aparecer. Ainda nem sequer viu um vídeo ou leu um artigo e [o utilizador] já está a emitir gases com efeito de estufa. Basicamente, muito pouco. Mas quando se multiplica pelo número de pessoas que podem visitar um website - cem milhões de pessoas por mês para os grandes sites de notícias franceses, por exemplo - , encontramos números na ordem dos 80 mil quilómetros por dia só para a homepage", sublinha Olivier Vergeynst, diretor do Instituto belga para Tecnologias da Informação Sustentáveis.

Vergeynst acrescenta que 80% dos dados transferidos por banda larga são usados para vídeo. Quanto maior a qualidade da imagem, mais C02 se emite. Os restantes 20% correspondem, no conjunto, a websites e emails.

Com o crescimento do teletrabalho, muitas ferramentas digitais desenvolveram-se, com possíveis ações sustentáveis.

"Os aparelhos do teletrabalho consomem energia. Por exemplo, durante as videoconferências, há muitos dados que são transmitidos. Em relação à quantidade de dados ligada a uma videoconferência, basta fechar as câmaras dos dois lados para serem transmitidos apenas 7% da quantidade de dados. O impacto carbónico será de apenas 38%, comparativamente a uma videoconferência idêntica com a câmara [dos interlocutores] ligada", ressalva Olivier Vergeynst.

Neste momento, o setor tecnológico representa 2% das emissões mundiais de gases com efeito de estufa.

Em 2040, esse número poderá subir para 14%, se as indústrias continuarem a progredir sem enquadramento.

Para a União Europeia é essencial regulamentar de forma sustentável o progresso.

Estas tecnologias devem servir de alavanca para atingir a neutralidade carbónica em 2050.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Competitividade jurídica em foco na reunião informal dos ministros da Justiça da UE

Descida alarmante do nível da água na barragem de Messara, em Creta

Novo estudo revela que cruzeiros poluem mais do que aviões e carros