This content is not available in your region

Sem testes negativos nem quarentenas: só para quem tem certificado

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Sem testes negativos nem quarentenas: só para quem tem certificado
Direitos de autor  PIERO CRUCIATTI/AFP

Em breve, deverá ser mais fácil viajar na União Europeia (UE), pelo menos para quem tem o Certificado Digital COVID da UE válido.

A partir de 1 de fevereiro, os detentores do documento - vacinados, recuperados ou testados - não devem estar sujeitos a "restrições adicionais à liberdade de circulação", como quarentena ou a apresentação de teste negativo à chegada.

A nova recomendação, acordada no Conselho de Assuntos Gerais desta terça-feira em Bruxelas, substitui as regras existentes.

"Estaremos mais focados na situação individual das pessoas, vacinadas ou não vacinadas, mais cedo, do que na situação epidemiológica de tal ou tal país ou região da União Europeia, evidentemente, com restrições que devem ser mais significativas para as pessoas que não estão vacinadas", sublinhou, na conferência de imprensa final do encontro Clément Beaune, secretário de Estado francês para os Assuntos Europeus.

Quem não tem o Certificado Digital COVID da UE pode ser obrigado "a submeter-se a um teste realizado antes ou depois da chegada", de acordo com a proposta de Bruxelas aos Estados-membros, que têm a decisão final sobre viagens.

A caminho do fim da pandemia na Europa?

Durante meses, o mapa da Europa esteve pintado a vermelho-escuro. Um cenário agravado pelo avanço da variante Ómicron. Mas o elevado número de taxas de infeção não se traduziu num elevado número de hospitalizações.

Uma tendência animadora, quanto baste, numa altura em que a Europa caminha para uma abordagem endémica da pandemia.

Para o virologista Marc Van Ranst as coisas parecem começar a tomar um novo rumo: "Penso que estamos a caminhar para uma nova fase da pandemia. Ainda não chegamos lá por completo porque a variante Ómicron se propagou rapidamente. O fato de muitas pessoas ficarem doentes tem um efeito na sociedade. Isso tem de diminuir. Quando a pressão sobre os hospitais, onde ainda se encontram nos cuidados intensivos muitos doentes com a variante Delta, diminuir, penso que estaremos prontos para nos libertar senão de todas, pelo menos de algumas das restrições em vigor."

A 1 de fevereiro também passa a vigorar um novo período de aceitação de 270 dias para os certificados de vacinação.

O travão de emergência, que permite a suspensão imediata de viagens para responder ao aparecimento de variantes preocupantes, mantém-se. No ano passado foi acionado, isolando países da África Austral por causa do surgimento da variante Ómicron.