EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Que papel político podem desempenhar os movimentos antivacinação?

Que papel político podem desempenhar os movimentos antivacinação?
Direitos de autor FRED TANNEAU/AFP
Direitos de autor FRED TANNEAU/AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A pouco e pouco, são cada vez mais os grupos a ganhar influência no campo da política

PUBLICIDADE

Em Bruxelas como em outras capitais europeias, os protestos contra a vacinação obrigatória e as restrições impostas por muitos governos por causa da pandemia de Covid-19 tornaram-se um hábito.

Entre palmas e assobios, é raro o fim de semana em que não se registam manifestações.

Mas a pouco e pouco, a influência crescente de vários movimentos parece estar a contagiar e a alastrar para a política.

Organizações como o coletivo "Bélgica Unida pela Liberdade", por exemplo, tentam capitalizar a revolta e transformá-la em influência política.

"A revolta das pessoas é legítima. É normal que as pessoas fiquem com raiva porque as pessoas estão chateadas com a situação", sublinhou, em entrevista à Euronews, Sarkis Simonjan, do coletivo "Bélgica Unida pela Liberdade" envolvido na organização de vários protestos.

Mas será que a revolta vai esmorecer com o fim das restrições por causa da Covid-19?

A curto prazo, os movimentos antivacinação podem ter algum impacto sobre diferentes eleições.

Podem representar, desde logo, uma ameaça para as eleições presidenciais de abril, em França. O ainda presidente, Emmanuel Macron, tem aproveitado, aliás, para atirar responsabilidades sobre a pandemia contra os não vacinados.

"Na verdade, penso que é uma jogada estrategicamente sábia de Emmanuel Macron porque todas as sondagens públicas em França sugerem que a grande maioria - mais de dois terços dos franceses - apoia o presidente nessa linha dura contra as pessoas anti-vacinas e não-vacinadas", lembrou Jacob Kirkegaard, analista do German Marshall Fund dos EUA.

Já o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, tem adotado outra estratégia, em plena contagem decrescente para as eleições legislativas de 3 de abril.

De acordo com sondagens, 30% da população adulta do país recusa as vacinas contra a Covid-19 e mais de 50% está contra a vacinação obrigatória.

Como o governo de Orbán não quer perder esta parte do eleitorado, optou-se por um conjunto de medidas contra a Covid relativamente relaxado.

"Ele quer agradar este eleitorado, É muito claro que do seu ponto de vista está a tentar mobilizar a sua base. Precisa que todos os eleitores de extrema-direita fiquem do seu lado porque, como as sondagens indicam, vai perder a maioria nas áreas urbanas, entre as pessoas com mais educação", acrescentou Jacob Kirkegaard.

Na Hungria, o grupo de extrema-direita "Movimento Pátria Nossa" poderá chegar ao parlamento graças a uma forte campanha antivacinação. Se assim for, poderá ter também um papel importante em acordos pós-eleitorais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia detalha megaplano para proteger fronteira com a Rússia e a Bielorrússia

"Já foi longe demais". Países da UE mostram-se descontentes com vetos da Hungria à ajuda à Ucrânia

Produtores de leite pedem legislação da UE que incentive rendimento justo