EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Como é que a UE está a dar ajuda médica aos refugiados ucranianos?

União Europeia está a reforçar ajuda médica destinada aos refugiados ucranianos
União Europeia está a reforçar ajuda médica destinada aos refugiados ucranianos Direitos de autor Pawel Kuczynski/The Associated Press
Direitos de autor Pawel Kuczynski/The Associated Press
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Entre os milhões de ucranianos que fogem da guerra, muitos precisam de tratamento médico, como mulheres grávidas e crianças doentes

PUBLICIDADE

Milhões de ucranianos estão a fugir da guerra no país, rumando à União Europeia. À medida que as chegadas continuam a aumentar, os sistemas de saúde do bloco estão sob pressão crescente: muitos desses refugiados precisam de tratamento médico, incluindo mulheres grávidas, crianças doentes e doentes oncológicos.

Em resposta aos pedidos de vários países, Bruxelas libertou 3,4 mil milhões de euros em fundos de coesão "flexíveis", que podem ser usados para cobrir despesas relacionadas com a saúde, bem como custos associados à habitação, emprego, educação e inclusão social.

Os chamados "centros de triagem" foram criados para acelerar a transferência de doentes entre os Estados-membros e foram asseguradas mais de dez mil camas para os ucranianos que precisam de ajuda de emergência e de cuidados primários.

A União Europeia também se está a concentrar na vacinação contra doenças que se podem prevenir, tentando diminuir a distância entre os seus próprios cidadãos e os milhões de refugiados de guerra.

Assista ao vídeo explicativo acima para saber mais sobre a ajuda em matéria de saúde para os refugiados ucranianos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Refugiados ucranianos rejuvenescem Espanha desertificada

Itália acolhe refugiados ucranianos com deficiência

Josep Borrell prepara saída de cena com visitas aos países bálticos