This content is not available in your region

Lítio: que futuro para o "petróleo branco" na União Europeia?

Access to the comments Comentários
De  Euronews
A man charges his electric car at an electrical charging point in Rivas Vaciamadrid, Spain, June 15, 2021.
A man charges his electric car at an electrical charging point in Rivas Vaciamadrid, Spain, June 15, 2021.   -   Direitos de autor  Manu Fernandez/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.

A vontade da Europa de se libertar dos combustíveis fósseis e de acabar a dependência da energia russa envolverá, não só uma mudança radical nos hábitos de consumo, como também exigirá muito lítio.

Considerando que o velho continente quase não produz o metal: será apenas trocar uma dependência por outra?

Os líderes europeus exaltaram as virtudes do Novo Pacto Ecológico Europeu, que pretende tornar o bloco comunitário neutro em carbono até 2050.

Para conseguir isso, a União Europeia quer reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 55% até 2030 em comparação com os níveis de 1990, reduzir as emissões de veículos novos para zero até 2035 e aumentar o peso das energias renováveis ​​no mix energético do bloco para 40%.

O lítio é cada vez mais usado para baterias em aparelhos eletrónicos, desde smartphones a televisões, bem como para armazenar energia produzida por painéis solares, turbinas eólicas e em veículos elétricos.

De acordo com o Banco Mundial, a produção de minerais, como grafite, lítio e cobalto, precisaria aumentar quase 500% até 2050 para cumprir as metas climáticas, enquanto representantes europeus estimam que, para alcançar a neutralidade climática até meados do século, o bloco exigirá 18 vezes mais lítio do que usa atualmente até 2030 e quase 60 vezes mais até 2050.

"Autonomia estratégica"

No entanto, a Europa tem apenas uma mina de lítio, em Portugal, e a grande maioria das suas necessidades é atualmente coberta através de importações.

Cerca de 87% do lítio não refinado que chega à União Europeia vem da Austrália – o restante de Portugal – enquanto o Chile, EUA e Rússia fornecem 78%, 8% e 4%, respetivamente.

A China também é um player particularmente grande. Embora tenha cerca de 7% das reservas mundiais de lítio, foi na China que se extraiu 13% do lítio em 2019, enquanto mais da metade do lítio extraído naquele ano foi processado no país.

Mais de 70% das baterias de íons de lítio que entraram no mercado no ano passado foram produzidas na China.

Bruxelas está ciente dessa dependência e adicionou o lítio à lista de matérias-primas críticas em 2020.

Um porta-voz da Comissão Europeia disse à Euronews que "a produção e o refinamento de lítio estão fortemente concentrados num grupo de países estrangeiros, o que aumenta a vulnerabilidade a vários riscos de abastecimento."

Acrescentou que “dada a relevância económica e tecnológica deste recurso, bem como as dependências externas que gera, é nossa responsabilidade garantir que a economia europeia possa beneficiar de um fornecimento sustentável e resiliente de lítio.”

“Embora a União Europeia continue a cultivar as suas parcerias internacionais, existe um potencial significativo de extração de lítio dentro das nossas fronteiras e a sua exploração pode criar milhares de empregos. O desenvolvimento de operações locais de mineração e processamento de lítio não só aumentará a nossa autonomia estratégica e reforçará a nossa economia, como também permitirá monitorizar e conter melhor os impactos ambientais das indústrias de mineração, que são muito mais difíceis de controlar além das fronteiras da União Europeia", ressalvou.

Oposição às minas

Atualmente existem dez projetos de lítio potencialmente viáveis ​​na União Europeia: três em Portugal, dois em Espanha e dois na Alemanha, com os restantes três localizados na República Checa, Finlândia e Áustria respetivamente.

Para Rene Kleijn, professor associado do Instituto de Ciências Ambientais (CML) da Universidade de Leiden, “se todas essas explorações entrarem em funcionamento, provavelmente seria suficiente para o nosso próprio abastecimento.”

Problema resolvido, então? Bem, não exatamente.

Tirar todos esses projetos do papel não será necessariamente fácil. Na Sérvia, um projeto de mina de lítio de 2,2 mil milhões de euros foi arquivado no início deste ano, após forte oposição local por preocupações ambientais. Em Portugal, também há uma forte oposição à mineração de lítio.

O processo de mineração de lítio é feito de duas maneiras. Existe a abordagem tradicional, a céu aberto, com o metal extraído das rochas. A segunda abordagem envolve bombear grandes quantidades de água subterrânea para a superfície para remover o lítio do líquido salgado que surge à medida que a água evapora.

Os dois processos são vistos como prejudiciais às paisagens e populações locais, com risco potencial de poluição do ar e da água. O uso de água para extrair lítio também é controverso, pois a água torna-se mais escassa em algumas áreas devido às mudanças climáticas. Grandes partes de Portugal e de Espanha, por exemplo, têm sofrido com uma seca de inverno, resultando em reservatórios quase esgotados.

Mas há uma terceira maneira, mais verde, de mineração de lítio, chamada Extração Direta de Lítio e que está a ser implementada para o projeto potencial na Alemanha. Baseia-se em energia geotérmica para bombear a salmoura para a superfície e permitir a extração de lítio antes de ser bombeado de volta para o reservatório geotérmico subterrâneo.

Da extração à produção

A mineração, no entanto, é apenas a ponta do icebergue. Uma vez extraído, o lítio precisa de ser refinado, as baterias feitas e eventualmente recicladas.

Na verdade, é aí que o lítio realmente brilha.

"Uma das maiores fontes de poluição na Europa e de emissões de CO2 é o transporte rodoviário", disse, à Euronews, Julia Poliscanova, do grupo de campanha a favor dos transportes limpos Transport & Environment.

Os transportes geram cerca de um quarto das emissões totais da União Europeia, sendo o transporte rodoviário responsável por cerca de 70%.

“A melhor forma de descarbonizar um dos maiores problemas climáticos é a eletrificação, e para isso precisamos de baterias. Para tal precisamos de lítio."

"No entanto, é realmente importante ressaltar que qualquer mineração, qualquer extração de matérias-primas, de petróleo, níquel, lítio ou gás tem um impacto. Quando se trata de lítio, o impacto por carro é significativamente menor. Com um carro, queimar-se-iam 17 mil litros de petróleo ao usar o veículo", acrescentou.

"Para uma bateria, um veículo elétrico, são precisos cerca de cinco ou seis quilos de lítio que podem ser reciclados e reutilizados. Só é preciso colocá-lo nas primeiras baterias e depois de algum tempo, pode tornar-se um circular. Por isso, o impacto do lítio é significativamente menor do que o impacto do petróleo."

EUA e China avançam mais depressa

Mas, uma vez mais, a Europa está atrasada em toda a infraestrutura da cadeia de abastecimento.

A Diretiva Europeia de Baterias, de 2006, foi escrita antes de as baterias de íons de lítio se tornarem cada vez mais proeminentes devido a uma abordagem mais morna para combater as alterações climáticas e, por isso, não estabeleceu metas para a reciclagem de lítio. Atualmente, quase nenhum lítio é recuperado na União Europeia, enquanto as eficiências de reciclagem estão estimadas em cerca de 95% para o cobalto e o níquel e em 80% para o cobre.

"Poderíamos ter previsto isto muito antes. Por exemplo, nos EUA temos agora políticas que vêm basicamente dos tempos da Guerra Fria e que estão a ser implementadas pelo presidente Joe Biden para garantir cadeias de abastecimento para baterias e veículos elétricos", disse Rene Kleijn, professor associado do Instituto de Ciências Ambientais (CML) da Universidade de Leiden.

A Lei de Defesa de Produção de Washington permite que a Casa Branca exerça controlo sobre as indústrias domésticas em tempos de crise. Foi usada pelo presidente Donald Trump para limitar as exportações de produtos médicos no início da pandemia de Covid-19 e por Joe Biden para acelerar a vacinação.

Foi, mais uma vez, invocada por Biden "para garantir a produção americana de materiais críticos para reforçar a economia de energia limpa, reduzindo a dependência da China e de outros países para os minerais e materiais que alimentarão o futuro de energia limpa", incluindo o lítio, níquel, cobalto, grafite e manganês.

"Isto é realmente interferência hard core do estado central nos mercados para garantir que as indústrias sejam capazes de sobreviver e não estejam dependentes de estados autocráticos ou de outros estados dos quais não se queira depender. E estes não são o tipo de políticas pelas quais se conhece a Europa", argumentou Kleijn.

"E eu nem estou a falar sobre a China. Quero dizer, na China, é totalmente estatal. Grandes empresas de mineração estatais chinesas estão envolvidas na mineração de todos esses materiais em todo o mundo, seja cobalto na África ou lítio na Austrália. Um quarto da maior mineradora para a maior mineração australiana de lítio, por exemplo, pertence a uma empresa estatal chinesa. Dessa forma, pode perceber-se como o governo chinês também está fortemente envolvido na segurança das cadeias de abastecimentos no exterior," acrescentou Kleijn.

2030 e adiante

Em toda a Europa, estão a fazer-se investimentos na produção de baterias para reduzir a dependência externa.

Esperava-se a abertura de cerca de 24 gigafábricas de células de bateria de íon de lítio em toda a União Europeia entre 2021 e 2030. A Tesla, por exemplo, abriu uma gigafábrica na Alemanha no mês passado.

A associação de fabricantes europeus de baterias automotivas e industriais prevê, agora,  que o valor de mercado de baterias da União Europeia crescerá de 15 mil milhões de euros em 2019 para cerca de 35 mil milhões de euros em 2030 - com as baterias de íons de lítio a representar cerca de metade - enquanto o valor de mercado global, estima-se, poderá passar de 90 mil milhões de euros para 150 mil milhões.

Ainda assim, mesmo no melhor cenário, com todas as minas potenciais a abrir até 2025, "não vejo como é que a Europa alcançará a suficiência nesta década", sinalizou Julia Poliscanova, do grupo de campanha a favor dos transportes limpos Transport & Environment.

“Mas depois de 2030, dependendo de quão inteligente for a nossa política de reciclagem, a Europa pode tornar-se autossuficiente”, concluiu.