EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Veja: o que é que os eurodeputados pensam sobre os direitos ao aborto?

O Parlamento Europeu aprovou uma resolução a pedir a inclusão do direito ao aborto "seguro e legal" na Carta dos Direitos Fundamentais da UE
O Parlamento Europeu aprovou uma resolução a pedir a inclusão do direito ao aborto "seguro e legal" na Carta dos Direitos Fundamentais da UE Direitos de autor Mathieu CUGNOT/ European Union 2022 - Source : EP
Direitos de autor Mathieu CUGNOT/ European Union 2022 - Source : EP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Parlamento Europeu pediu inclusão do aborto entre direitos fundamentais da UE

PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu aprovou uma resolução não vinculativa que pede a inclusão do direito ao aborto "seguro e legal" na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia (UE), uma mudança que exigiria a revisão dos tratados da UE.

O pedido surge na sequência de uma decisão do Supremo Tribunal dos EUA, que revogou a decisão histórica proferida no caso Roe vs. Wade e acabou com o direito constitucional ao aborto.

Apesar da decisão não afetar diretamente as mulheres europeias, em Estrasburgo, os eurodeputados alertaram sobre os potenciais efeitos colaterais e o impacto negativo sobre os direitos das mulheres em todo o mundo.

Mas nem todos partilham a mesma opinião. Alguns comemoraram a decisão do Supremo Tribunal, argumentando que abre caminho para a defesa do direito à vida.

O que é que os eurodeputados têm a dizer sobre isto? Qual é o país que poderá seguir os passos dos EUA?

A Euronews falou com os eurodeputados para conhecer as suas opiniões sobre o aborto.

Veja o vídeo acima para saber as respostas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Suspeita-se que o Hamas esteja a planear atentados na Alemanha

UE considera a remoção das bóias fronteiriças da Estónia pela Rússia de “inaceitável”

Zelenskyy diz que Putin receia que a cimeira de junho seja "capaz de forçar a Rússia à paz"