EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Perspetivas económicas da OCDE: Crescimento global estável esperado para 2024 e 2025

A lua nasce sobre o horizonte iluminado da capital alemã em Berlim, Alemanha, segunda-feira, 22 de novembro de 2021.
A lua nasce sobre o horizonte iluminado da capital alemã em Berlim, Alemanha, segunda-feira, 22 de novembro de 2021. Direitos de autor Markus Schreiber/Copyright 2021 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Markus Schreiber/Copyright 2021 The AP. All rights reserved
De  Indrabati LahiriAngela Barnes
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A OCDE divulgou as suas mais recentes perspetivas económicas e disse esperar um crescimento global estável em 2024 e 2025.

PUBLICIDADE

A OCDE disse que há sinais de que as perspetivas globais começaram a ficar mais claras, embora o crescimento continue modesto.

“O impacto de condições monetárias mais apertadas continua, especialmente nos mercados de habitação e crédito, mas a atividade global está a revelar-se relativamente resiliente, a inflação está a cair mais rápido do que inicialmente projetado e a confiança do setor privado está a melhorar”, adianta o relatório.

A OCDE destacou ainda que os desequilíbrios da oferta e da procura nos mercados de trabalho estão a diminuir, com o desemprego a manter-se em mínimos recordes ou perto disso.

“Os rendimentos reais começaram a melhorar à medida que a inflação se modera e o crescimento do comércio tornou-se positivo. Os desenvolvimentos continuam a divergir entre os países, com resultados mais suaves em muitas economias avançadas, especialmente na Europa, compensados pelo forte crescimento nos Estados Unidos e em muitas economias de mercado emergentes.”

A inflação global nos países da OCDE deverá cair para 5% em 2024, de 6,9% em 2023, e recue novamente para 3,4% em 2025. Até ao final de 2025, projeta-se que a inflação na OCDE esteja próxima da maioria das metas do banco central de 2%. É provável que isso se deva à queda dos preços da energia e dos bens, bem como a políticas monetárias mais rígidas.

Crescimento no Reino Unido e outras grandes economias europeias estimado como modesto

O crescimento do G20 e de outras nações desenvolvidas deverá ficar significativamente atrás dos países em desenvolvimento, estimando-se que o Reino Unido tenha um crescimento de apenas 0,4% em 2024, subindo para 1% em 2025.

Estima-se que a área do euro registe um crescimento de 0,7% em 2024 e 1,5% em 2025, enquanto a França também deverá registar um crescimento de 0,7% este ano, mas poderá possivelmente ficar para fora da área do euro com um crescimento de 1,3% em 2025.

Da mesma forma, a Itália deverá também crescer 0,7% este ano, saltando para 1,2% em 2025.

A Alemanha, há muito considerada a “doente” da Europa, deverá ter um desempenho dececionante também este ano, com um crescimento muito modesto de 0,2%. No entanto, as coisas poderão estar a parecer significativamente mais positivas para o país no próximo ano, com a OCDE a esperar um aumento de 1,1%.

Por outro lado, a Índia deverá crescer a uma taxa constante de 6,6% tanto para 2024 como para 2025, enquanto a Indonésia poderá registar um aumento de 5,1% em 2024, passando para 5,2% em 2025.

No entanto, a China, que continua a lutar com os efeitos persistentes de uma economia incerta, elevado custo de vida e diminuição da procura pós-pandemia, deverá aumentar 4,9% este ano, mas apenas 4,5% no próximo ano.

Em fevereiro de 2024, a taxa de desemprego da OCDE situou-se em 4,9%, situando-se perto do seu nível mais baixo desde 2001.

O secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, afirmou em comunicado que “a economia global mostrou-se resiliente, a inflação diminuiu à vista das metas do banco central e os riscos para as perspetivas estão a tornar-se mais equilibrados. Esperamos um crescimento global estável para 2024 e 2025, embora se projeta que o crescimento permaneça abaixo da sua média de longo prazo", disse.

“A ação política precisa garantir a estabilidade macroeconómica e melhorar as perspetivas de crescimento a médio prazo. A política monetária deve manter-se prudente, com margem para baixar as taxas de juro da política à medida que a inflação diminui, a política fiscal precisa enfrentar as crescentes pressões para a sustentabilidade da dívida e as reformas políticas devem impulsionar a inovação, o investimento e as oportunidades no mercado de trabalho, particularmente para as mulheres, os jovens e os trabalhadores mais velhos”, acrescentou Cromann.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BMW, Jaguar e Volkswagen criticadas por importarem peças e automóveis chineses proibidos

Microsoft compromete-se a investir 4,3 mil milhões de dólares em França

Elon Musk em Pequim em busca da aprovação chinesa para desenvolver tecnologia de condução autónoma