Lobistas da Amazon proibidos de entrar no Parlamento Europeu

A retirada dos distintivos surge na sequência de um pedido dos deputados da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais.
A retirada dos distintivos surge na sequência de um pedido dos deputados da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais. Direitos de autor Mark Lennihan/Copyright 2017 The AP. All rights reserved.
De  Cynthia Kroet
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Proibição surge na sequência de um pedido dos deputados da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais.

PUBLICIDADE

Os lobistas da Amazon vão ser proibidos de entrar nas instalações do Parlamento Europeu em Bruxelas, decidiu na noite de terça-feira um órgão político interno. Os questores alinharam-se com os deputados da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais, que solicitaram a retirada dos cartões de acesso à Amazon no início deste mês.

Os questores - grupo interno eleito para supervisionar as questões administrativas que afetam os deputados - aconselharam o Secretário-Geral a retirar os cartões de acesso de longa duração aos representantes da Amazon, confirmou um porta-voz do Parlamento à Euronews.

O parlamento não disse quando é que a proibição entra em vigor e em que condições os representantes da Amazon podem voltar a ter acesso.

A medida surge na sequência de um pedido da Comissão Parlamentar de Emprego, que solicitou a medida depois de a Amazon não ter comparecido a uma série de audições e visitas a fábricas em 2021 e 2023.

A comissão enviou um pedido ao presidente do Parlamento no início deste mês (6 de fevereiro), depois de o gigante norte-americano também não ter participado numa audição parlamentar agendada para 23 de janeiro.

"Não é razoável que os deputados sejam pressionados pela Amazon e, ao mesmo tempo, sejam privados do direito de representar os interesses dos cidadãos europeus e de inquirir sobre alegações de violação dos direitos fundamentais consagrados nos Tratados da UE e na legislação laboral da UE", diz a carta dos deputados.

Os políticos pretendem realizar debates e visitas para compreender melhor os relatos dos meios de comunicação social que sugerem um potencial controlo dos trabalhadores da Amazon, bem como outras práticas empresariais e laborais.

Na semana passada, a Conferência dos Presidentes, que reúne os líderes dos diferentes grupos políticos no Parlamento, apoiou os deputados.

A Amazon afirmou estar "muito desiludida com esta decisão" num comunicado.

"A Amazon participa regularmente em actividades organizadas pelo Parlamento Europeu e por outras instituições da UE - incluindo audições parlamentares - e continuamos empenhados em participar num diálogo equilibrado e construtivo sobre questões que afectam os cidadãos europeus", afirmou um porta-voz.

"Manifestámos repetidamente a nossa vontade de colaborar com os membros da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais e convidámo-los, em várias ocasiões, a visitar as nossas instalações. Esse convite mantém-se", acrescentou o comunicado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Amazon, Google, Facebook e outros: UE nomeia guardiões da economia digital

Apple, Alphabet e Amazon desiludem o mercado

Amazon entende-se com Bruxelas sobre regras da concorrência