This content is not available in your region

Que preços de energia é que a UE quer limitar?

Access to the comments Comentários
De  Jorge Liboreiro
Preço da energia depende dos custos de produção e necessidades de investimento de cada empresa
Preço da energia depende dos custos de produção e necessidades de investimento de cada empresa   -   Direitos de autor  Euronews.

A União Europeia (UE) está a tentar obter um consenso sobre a forma de lidar com as contas de eletricidade em alta que estão a colocar as famílias e as empresas sob uma tensão insuportável.

A última proposta da Comissão Europeia sugere que o bloco venha a definir um teto para os chamados geradores inframarginais. O que é que isto significa?

O mercado liberalizado de eletricidade da UE baseia-se na ordem de mérito, também conhecido como preço marginal.

Sob este sistema, todos os produtores de eletricidade - desde a energia eólica e solar até aos combustíveis fósseis - vendem energia de acordo com os seus custos de produção e necessidades de investimento. 

A licitação começa nas fontes mais baratas - as renováveis - e termina nas mais caras - neste caso, o gás.

Uma vez que a maioria dos países da UE ainda depende do gás para satisfazer todas as suas necessidades de energia, o preço final da eletricidade é inevitavelmente fixado pelo gás, mesmo que as fontes verdes também contribuam para a composição total.

Custos para uns, grandes lucros para outros

Com a invasão russa da Ucrânia interrompeu o habitual fornecimento de energia, e as temperaturas abrasadoras do verão aumentaram a procura de refrigeração, o papel desempenhado pelo gás na fixação de preços tornou-se exagerado, empurrando as faturas para níveis imprevisíveis.

Por outro lado, foram criadas receitas excedentárias para os geradores inframarginais: as centrais que não usam gás mas energias renováveis (eólica, hidráulica, solar, etc), nucleares e lignite. Estas vendem eletricidade ao preço elevado do mercado, apesar de terem custos de produção significativamente mais baixos.

É exatamente aqui que entra em jogo a última proposta da UE: um texto no preço para os geradores inframarginais, que teriam de encaminhar as receitas extra para os governos.

Os Estados-membros utilizariam essas verbas adicionais para apoiar os consumidores, e possivelmente as empresas, sob pressão financeira.Mas a medida, que muitos governos de Estados-membros já apoiam, não está isenta de riscos, tais como afastar os investidores de soluções tecnológicas mais ecológicas de produção energética.