EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Comissão Europeia tentará conter riscos de fixar preço do gás

Central elétrica alimentada a gás em Berlim, Alemanha
Central elétrica alimentada a gás em Berlim, Alemanha Direitos de autor Michael Sohn/AP
Direitos de autor Michael Sohn/AP
De  Vincenzo GenoveseIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia tentará conter riscos de fixar preço do gás. Admitindo que a solução faria baixar os custos para os consumidores, ainda se discute se deverá ser aplicada a todos os fornecedores ou apenas à Rússia.

PUBLICIDADE

Se o preço do gás sobe de forma estratosférica, deve-se fixar um teto para o preço das importações? Como reagiria o mercado a este ideia, cujos detalhes dividem os 27 Estados-membros?

A presdiência rotativa da União Europeia (UE) admite que vai ser precisa muita negociação, disse Jozef Síkela, ministro da Indústria e do Comércio da Chéquia, na sexta-feira: "Penso que fixar um teto para o preço do gás é, do ponto de vista do mercado, o caso mais difícil e que precisamos de um pouco mais de elaboração sobre os impactos".

Admitindo que a solução faria baixar os custos para os consumidores, ainda se discute se deverá ser aplicada a todos os fornecedores ou apenas à Rússia.

Afinal foi este país que iniciou uma guerra e que tem fechado a torneira do gasoduto à Europa. Mas seria pior o remédio do que a doenca?

"Poder-se-ia argumentar que a Rússia já cortou, de facto ,muito do seu abastecimento à Europa porque os fluxos diminuíram de 400 milhões de metros cúbicos por dia para 80 milhões de metros cúbicos", explicou à euronews Luca Franza, consultor do Instituto Italiano de Assuntos Internacionais.

"Mas é importante perceber que, em 2022, ainda importamos bastante gás russo e que o estamos a armazenar por toda a Europa. Assim, passar de 80 milhões de metros cúbicos para zero ainda causaria bastante prejuízo", acrescentou.

Já fixar um preço para todos os fornecedores a nível mundial poderia ser mais eficaz na redução dos custos de energia para os consumidores.

Tal só pode ser concebido numa base de acordo com esses fornecedores e não como uma decisão unilateral da UE. O governo da Noruega, importante parceiro do bloco, já manifestou o seu ceticismo.

"É também importante evitar penalizar os importadores que têm contratos em vigor a um preço potencialmente mais elevado do que aquele que seria fixado para o futuro", afirmou o consultor.

"Finalmente, é essencial assegurar que se implementa um mecanismo para atrair um volume flexível de gás natural liquefeito. Caso contrário, os exportadores vão virar-se para o Irão e para a Ásia, onde não existe um preço máximo", concluiu Luca Franza.

Os ministros com a pasta da Energia pediram à Comissão Europeia que estude os detalhes desta intervenção de emergência, temporária, para poderem aprovar uma proposta legislativa antes do final do mês.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Seis coisas que precisa de saber sobre o armazenamento de gás da União Europeia

Portugal quer reexportar gás recebido em Sines dentro de poucos meses

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica