"Não foi ataque deliberado da Rússia" à Polónia, diz NATO

Secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg
Secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg Direitos de autor NATO
De  Isabel Marques da Silva com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O líder da NATO explicou que a análise preliminar sobre o incidente na fronteira entre a Ucrânia e a Polónia, que resultou na morte de duas pessoas numa aldeia polaca, revela que a explosão ocorreu depois da defesa anti-aérea da Ucrânia contra os mísseis russos.

PUBLICIDADE

"Não foi um ataque deliberado da Rússia" à Polónia e a NATO não tem indicações de que o regime tenha "planos ofensivos contra membros da NATO", disse o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, quarta-feira, numa conferência de imprensa, na sede da organização, em Bruxelas.

O líder da NATO explicou que a análise preliminar sobre o incidente na fronteira entre a Ucrânia e a Polónia, que resultou na morte de duas pessoas numa fábrica de cereais na Polónia, revela que a explosão ocorreu depois da defesa antiaérea da Ucrânia ter disparado contra os mísseis russos.

Stoltenberg disse que este tipo de incidente só aconteceu porque a Rússia leva a cabo "uma guerra ilegal" contra a Ucrânia, pelo que "não é culpa da Ucrânia, mas sim uma responsabilidade da Rússia".

Os embaixadores da NATO reuniram-se, esta manhã, de urgência, para analisar a explosão, terça-feira, em território da Polónia, membro da Aliança e que goza do direito de proteção militar dos restantes membros, em caso de provada agressão externa.

Stoltenberg congratulou-se com o facto de mais membros da aliança se terem declarado prontos a fornecer meios de defesa aérea, e disse que um grupo de contacto sobre a Ucrânia se reuniria mais tarde, com o principal enfoque na defesa aérea.

Artigo 4 do Tratado da NATO

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, disse que o governo de Varsóvia poderá não ativar o Artigo 4 do tratado da aliança, que apela a consultas quando um país considera que a sua segurança está sob ameaça.

"A partir da informação que nós e os nossos aliados temos, foi um míssil S-300 feito na União Soviética, e não há provas de que tenha sido lançado pelo lado russo", disse, hoje, também, o presidente da Polónia, Andrzej Duda. "É altamente provável que tenha sido disparado pela defesa antiaérea ucraniana", acrescentou.

Na terça-feira, o Presidente dos EUA, Joe Biden, também disse, publicamente, que era pouco provável que o míssil tivesse sido disparado da Rússia. 

Alguns líderes ocidentais sugeriram que quem quer que tenha disparado o míssil, a Rússia e o Presidente Vladimir Putin acabariam por ser considerados responsáveis por um incidente resultante da sua invasão.

"Sublinharam que, seja qual for o resultado dessa investigação, a invasão de Putin à Ucrânia é diretamente responsável pela violência em curso", disse o gabinete do primeiro-pinistro britânico, Rishi Sunak, após uma reunião entre Sunak e o homólogo canadiano, Justin Trudeau, à margem da cimeira do G20, que decorre na Indonésia.

Moscovo lançou a onda de ataques de mísseis, na terça-feira, depois de abandonar a cidade meridional de Kherson, a única capital regional que tinha capturado desde a invasão e que voltou ao controlo ucraniano.

Os líderes na cimeira do G20 emitiram uma declaração dizendo que "a maioria dos membros condenou veementemente a guerra na Ucrânia", embora reconhecesse que "havia outras opiniões e diferentes avaliações da situação e sanções".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bielorrússia diz que abateu míssil de Kiev no seu território

Guerra está "perigosamente perto" das fronteiras da NATO

Polícia de Bruxelas tenta evitar conferência populista de direita que inclui PM Orbán