EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Taghi Rahmani pede maior apoio da UE aos manifestantes iranianos

O jornalista e ativista já esteve várias vezes preso e, neste momento, é a mulher, também ativista, que está encarcerada
O jornalista e ativista já esteve várias vezes preso e, neste momento, é a mulher, também ativista, que está encarcerada Direitos de autor AP Photo/Francois Mori
Direitos de autor AP Photo/Francois Mori
De  Efi KoutsokostaLauren Chadwick, Isabel Marques da Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em 2011, a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras apelidou-o de "jornalista mais frequentemente detido".

PUBLICIDADE

O Parlamento Europeu deve opor-se às alegadas sentenças de morte aplicadas aos manifestantes no Irão, defendeu o ativista e jornalista Taghi Rahmani, em entrevista à euronews, em Bruxelas, na semana passada.

As manifestações começaram em setembro, após a morte de Mahsa Amini, jovem detida pela polícia que vigia o comportamento social, conhecida como "polícia de moralidade", tendo morrido no hospital de sérios ferimentos.

Organizações de direitos humanos do Irão e internacionais afirmaram que as autoridades iranianas estão a considerar aplicar pena de morte contra alguns manifestantes, numa tentativa de reprimir o movimento.

Não queremos, certamente, uma guerra. Não somos a favor de uma guerra. Não queremos sanções que prejudiquem o povo, mas queremos apoio prático para a vitória do povo.
Taghi Rahmani
Ativista e jornalista, Irão

"O nosso povo protesta contra o despotismo, o monopólio e a tirania e apontam o dedo ao Sr. Khamenei, o líder da República Islâmica, que levou a nossa sociedade a condições económicas e sociais muito más com a sua tirania", disse Rahmani.

"O regime ainda não recuou, mas o povo também não desistiu, e isto é uma luta séria", acrescentou.

Rahmani apelou a "apoio real, prático e técnico" aos manifestantes iranianos por parte da comunidade internacional.

"Não queremos, certamente, uma guerra. Não somos a favor de uma guerra. Não queremos sanções que prejudiquem o povo, mas queremos apoio prático para a vitória do povo", afirmou o ativista.

Após a reunião de Rahmani com membros do Parlamento Europeu, a presidente Roberta Metsola afirmou, no Twitter: "Estamos com o povo do Irão e vamos ficar ao lado dele".

AP/Alastair Grant
Foto da jovem que morreu mostrada numa manifestação de apoio aos iranianos, em Londres (Reino Unido)AP/Alastair Grant

Um movimento diferente, que não vai ser travado?

Em 2011, a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras apelidou Taghi Rahmani de "jornalista mais frequentemente detido". Contudo, é a sua mulher, a ativista Narges Mohammadi, que se encontra atualmente na prisão.

"Ela esteve na prisão durante sete anos, no passado e, desta vez, a pena é mais oito anos e meio. Apesar de estar na prisão, ela apoia estes protestos do povo iraniano", disse Rahmani.

O jornalista mencionou que vários ativistas dos direitos humanos e advogados continuam presos por delito de expressão, mas tem esperança de que caberá ao povo decidir o futuro do país.

"Se conseguirmos criar fraturas no núcleo central do poder, no centro do regime, esta será uma grande vitória para manter os protestos", disse.

"Sinto que é possível manter vivo este movimento, porque as pessoas têm energia para isso. O governo quer suprimi-lo, mas uma coisa é clara do meu ponto de vista: a sociedade iraniana não vai voltar ao ponto em que se encontrava antes dos protestos", concluiu.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nobel da Paz distingue ativista iraniana Narges Mohammadi

Polícia dos costumes abolida no Irão

Novos protestos em funerais no Irão