EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Borrell: "Se não a apoiarmos, a Ucrânia cairá numa questão de dias"

Josep Borrell em entrevista à Euronews
Josep Borrell em entrevista à Euronews Direitos de autor Carlo Bressan/ EC - Audiovisual Service
Direitos de autor Carlo Bressan/ EC - Audiovisual Service
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em entrevista à Euronews, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell diz que é a o momento de apoiar militarmente a Ucrânia.

PUBLICIDADE

A guerra da Rússia contra a Ucrânia uniu o Ocidente e a UE não tem escolha senão continuar a apoiar a Ucrânia, de acordo com o alto representante da UE, Josep Borrell.

O chefe da diplomacia europeia falou com a Euronews, no evento do Estado da União, em Florença.

Borrell diz que a sua maior tarefa será alcançar uma paz justa na Ucrânia no próximo ano, mas que ainda não chegou a hora de conversar.

"Este não é o momento para conversas diplomáticas sobre a paz. É o momento de apoiar militarmente a guerra. Portanto, sinto-se como um diplomata, mas sinto-me também como um ministro da Defesa da União Europeia, porque passo uma parte importante do meu tempo a falar de armas", afirmou.

Esta semana, a UE anunciou um plano para gastar 500 milhões de euros para enviar munições para a Ucrânia. Josep Borrell justifica: "Se não apoiarmos a Ucrânia, a Ucrânia cairá numa questão de dias. Claro que eu preferia gastar este dinheiro a aumentar o bem-estar das pessoas, em hospitais, escolas, cidades, como o presidente da Câmara está a pedir, mas não temos escolha". 

Josep Borrell congratulou-se com o fato de até agora a China não ter enviado armas para a Rússia, mas entende que o plano de paz de Pequim não é sério. "A única coisa que poderia ser chamada de plano de paz é a proposta de Zelenskyy. Porque o plano de paz chinês não é um plano de paz, é um conjunto de considerações e pensamentos esperançosos. Mas não é um plano de paz. O único que existe é o que foi proposto pelos ucranianos, mas que certamente não será aceite pelos russos."

Borrell diz que a Europa tem de estar unida para poder sobreviver numa arena internacional em mudança. Para isso, é crucial abandonar o sistema de votação por unanimidade ao nível da política externa, que permite que os estados membros individuais vetem decisões.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cipriotas procuram restos mortais dos desaparecidos 50 anos após a invasão turca

Erdoğan rejeita plano da ONU para um Chipre federado

Josep Borrell prepara saída de cena com visitas aos países bálticos