Comissária dos Assuntos Internos defende política migratória italiana

Ylva Johansson
Ylva Johansson Direitos de autor Aurore Martignoni/CCE
Direitos de autor Aurore Martignoni/CCE
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em pleno confronto entre Roma e Paris, Ylva Johansson defendeu as políticas que estão a ser seguidas pelo governo de Giorgia Meloni.

PUBLICIDADE

A comissária europeia dos Assuntos Internos defendeu a política de migração de Itália, na sequência de uma polémica diplomática entre Paris e Roma. Numa entrevista à Euronews, Ylva Johansson disse compreender as últimas medidas adotadas pelo governo de direita de Giorgia Meloni.

"O estado de emergência em Itália é, evidentemente, uma decisão nacional, mas, na minha opinião, ajuda Itália a melhorar as capacidades de acolhimento de forma mais rápida, o que é absolutamente necessário face ao elevado número de chegadas. É importante dizer que Itália não deve estar sozinha. Temos de apoiar a Itália neste domínio", disse a comissária em entrevista à jornalista Isabel Marques da Silva, para o programa "The Global Conversation".

Na semana passada, o ministro francês do Interior, Gérald Darmanin, acusou Meloni de ser "incapaz de resolver os problemas da migração", o que provocou a ira do governo italiano.

Na entrevista, Johansson distanciou-se das declarações do responsável francês e defendeu Meloni:

"Itália está sob uma enorme pressão e penso que a está a gerir bastante bem. Mas não devem estar sozinhos. O que a guarda costeira italiana está a fazer é impressionante. Salvaram mais de 30 mil pessoas este ano. Estão a fazer um trabalho extraordinário. Também temos as ONG, mas em muito menor escala, claro. As iniciativas estatais são as mais importantes no que diz respeito à busca e salvamento", disse Johansson.

Mais de 42 mil migrantes irregulares desembarcaram nas costas italianas até agora este ano, quase quatro vezes o número do mesmo período do ano passado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tajani cancela viagem a Paris por "insultos inaceitáveis" a Meloni

Seis meses de governo de Giorgia Meloni em Itália

Crise no Médio Oriente ofusca cimeira da UE dedicada à economia