EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O cansaço dos acordos comerciais da União Europeia

Porta contentores no porto de Hamburgo, na Alemanha
Porta contentores no porto de Hamburgo, na Alemanha Direitos de autor Mark Baker/AP
Direitos de autor Mark Baker/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A UE sempre estimulou acordos comerciais num sinal de apoio ao multilateralismo, mas há Estados-membros a quererem abrandar esta dinâmica. O assunto está em análise na reunião dos ministros do Comércio.

PUBLICIDADE

O Greenpeace recebeu os ministros do Comércio da União Europeia (UE) com uma manifestação esta quinta-feira, em Bruxelas. 

A ordem de trabalhos da reunião incide em parte sobre os acordos de comércio livre que os 27 estão a negociar, por exemplo com os países sul-americanos reunidos no Mercosul, mas também com a Índia, o Chile, a Indonésia e a Austrália.

A União está a negociar numerosos textos, muitos dos quais estão em discussão, mas poucos foram ratificados. Os Estados-membros interrogam-se sobre a utilidade e o valor acrescentado destes acordos, o que provoca uma espécie de cansaço, como refere Ville SKinnari, o ministro do Comércio Externo da Finlândia, ao afirmar: "Penso que "cansaço" é uma boa palavra para o descrever.

Segundo o ministro delegado do Comércio Externo francês, este abrandamento explica-se mais pela necessidade de defender os interesses europeus.

Olivier Becht afirma: "Os acordos devem poder avançar, sem pôr em causa os nossos próprios setores. Estou a pensar, nomeadamente, nos setores agrícolas. Devemos estar totalmente vigilantes sobre este ponto. E, deste ponto de vista é, evidentemente, o tempo que se dedica às negociações para chegar a compromissos aceitáveis, evidentemente, para os Estados, mas também para a opinião pública.

A UE vê estes acordos comerciais como um sinal para os seus parceiros internacionais de apoio ao multilateralismo, mas vários países membros querem abrandar esta dinâmica.

Niclas Poitiers, investigador do "think thank" Bruegel analisa: "Penso que uma parte deste fenómeno é o resultado do sucesso da globalização de duas formas: A primeira é o facto de, historicamente, já termos reduzido muitos direitos aduaneiros para níveis muito baixos. O que significa que os benefícios destes acordos comerciais em termos de abertura do mercado não são tão grandes como costumavam ser. Isto significa que os benefícios de outro acordo comercial não são tão grandes como costumavam ser, o que significa também que os incentivos para os assinar não são tão grandes como costumavam ser. A segunda razão é, basicamente, o facto de termos assistido a uma grande deslocação das indústrias na UE, devido à globalização e também à tecnologia, o que significa que houve um aumento da desigualdade na UE, o que levou a que muitas pessoas preocupadas com esta desigualdade se opusessem à globalização e aos acordos comerciais".

Há muitos anos que a UE defende a celebração de tais acordos. No entanto, tendo em conta a atual situação geopolítica internacional e as dificuldades encontradas nas cadeias de abastecimento devido à pandemia de Covid-19, os Vinte Sete parecem agora querer refletir sobre a sua abordagem ao comércio livre.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente de Portugal defende comércio como alavanca do poder da UE

UE e EUA convergem sobre tecnologia e comércio

Reino Unido aposta em acordo de comércio livre com o Conselho de Cooperação do Golfo