EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"O monstro está a agir contra o seu criador", diz Borell sobre Wagner

O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell
O chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell Direitos de autor Frederic Sierakowski/AP
Direitos de autor Frederic Sierakowski/AP
De  Jorge LiboreiroIsabel Marques da Silva (Trad.)
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia reúnem-se no Luxemburgo,segunda-feira, para analisar as consequências da tentativa de golpe militar na Rússia.

PUBLICIDADE

A ameaça de sublveação do grupo de mercenários do Grupo Wagner na Rússia encima a agenda da reunião que deveria centrar-se na assistência militar à Ucrânia, nas tensões entre o Kosovo e a Sérvia, nas sanções contra o Irão e nas relações com a América Latina.

Os ministros ainda estão a tentar compreender a saga de 36 horas, na qual Yevgeny Prigozhin, líder do Grupo Wagner, se rebelarem-se contra a liderança da Rússia, representando a maior ameaça ao poder de Vladimir Putin desde a sua chegada ao Kremlin, há mais de 20 anos.

"A guerra contra a Ucrânia, lançada por Putin, e o monstro que Putin criou com Wagner (...) estão a mordê-lo agora. O monstro está a agir contra o seu criador", afirmou Josep Borrell, responsável pela política externa da UE, à chegada à reunião.

"O sistema político está a mostrar as suas fragilidades e o poder militar está a ceder. Esta é uma consequência importante da guerra na Ucrânia", acrescentou.

Borrell evitou especular sobre o paradeiro de Prigozhin ou sobre o possível impacto do golpe falhado na evolução da guerra.

"Certamente, não é bom ver uma potência nuclear como a Rússia a entrar numa fase de instabilidade política", disse Borrell aos jornalistas.

Alemanha e França cauetelosas

Annalena Baerbock, ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, manteve-se cautelosa na sua avaliação, descrevendo a rebelião  como uma "luta interna pelo poder" na qual a UE não vai interferir.

"Com esta guerra brutal de agressão, a Rússia está a destruir, Putin está a destruir o seu próprio país", disse Baerbock.

A sua homóloga francesa, Catherine Colonna, foi igualmente cautelosa e disse que a comunidade internacional ainda não viu as "consequências totais" da insurreição.

"No entanto, estes acontecimentos levantam muitas questões, e talvez mais questões do que respostas", disse Colonna. "Neste momento, é claro que (os acontecimentos) sublinharam o facto de que tem havido tensões internas e que existem mesmo fissuras, fracturas e falhas no sistema", referiu Catherine Colonna.

Países bálticos atentos

Gabrielius Landsbergis, da Lituânia, exortou os aliados ocidentais a reforçarem o flanco oriental da Europa, em reação à crescente "imprevisibilidade" da Rússia.

"Estamos a ver a rapidez com que as coisas podem acontecer", disse Landsbergis. "Foi preciso meio dia para que um destacamento militar se deslocasse 200 quilómetros para longe de Moscovo. Imaginem a rapidez com que conseguem atravessar a Bielorrússia e aparecer na fronteira da Lituânia", referiu.

Landsbergis levantou questões sobre o acordo alegadamente mediado por Aleksander Lukashenko, o Presidente bielorrusso, que levou Prigozhin a cancelar abruptamente o motim e a retirar as suas tropas. 

Os pormenores do acordo não foram tornados públicos, mas pensa-se que Prigozhin deverá viver no exílio algures na Bielorrússia, enquanto os soldados Wagner serão perdoados e terão a oportunidade de ser incorporados nas Forças Armadas russas.

De acordo com o ministro lituano, Lukashenko, que detém o poder ininterruptamente desde 1994, entrou na luta por interesse próprio para preservar a sua carreira política.

Lukashenko está "muito dependente do Kremlin e, se o Kremlin deixar de o apoiar, isso significa que ele poderá terminar a sua carreira prematuramente", disse Landsbergis.

PUBLICIDADE

O acordo está envolto em grande mistério, tornando impossível determinar o futuro da Wagner como organização mercenária ou a autoridade de Prigozhin. Para já, o Kremlin não anunciou qualquer mudança na liderança militar da Rússia, uma das principais exigências de Prigozhin.

"Não precisamos de pensar em mudar o regime na Rússia, nem de o planear. Os russos são completamente capazes de o fazer por si próprios. Os russos resolverão o problema da Rússia", disse Landsbergis.

---

A União Europeia vai continuar a monitorizar, com prudência, a situação na Rússia depois da revolta do Grupo Wagner colocar em causa a capacidade do presidente Putin de controlar a situação política e militar.

Reunidos no Luxemburgo, terça-feira, os ministros dos negocios estrangeiros consideram inquietatntea a possibilidade de os mercenários se terem instalado na Bielorrússia, perto da fronteira com a Russia.

PUBLICIDADE

00.22 SOT Catherine COLONNA, Ministra da Europa e dos Negócios Estrangeiros de França

"No entanto, estes acontecimentos levantam muitas questões, e talvez mais questões do que respostas. Neste momento, é evidente que sublinharam que houve tensões internas, que há mesmo fissuras, fracturas e falhas no sistema russo"

00.50 SOT Gabrielius LANDSBERGIS, Ministro dos Negócios Estrangeiros da Lituânia

"Foi preciso meio dia para um destacamento militar se deslocar a 200 quilómetros de Moscovo. Imaginem então a rapidez com que conseguem atravessar a Bielorrússia e aparecer na fronteira da Lituânia. Por isso, estamos a pedir encarecidamente aos nossos aliados que analisem a nossa situação com a máxima seriedade. E à luz de tudo o que está a acontecer na Rússia. E, mais uma vez, que apresentem uma visão muito específica sobre a forma de reforçar o flanco oriental, especialmente os países que têm fronteiras com a Rússia e a Bielorrússia"

01.23 VO

PUBLICIDADE

Á situação pode ter algumas vantagens no teatro de guerra na ucrânia, caso o Kremlin revele dificuldade em reorganizar a stropas. A Ucrânia e os seus aliados podem beneficiar do caos no sistema russo, explica o Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, Josep Borrell.

01.37 SOT Josep Borrell Alto Representante da UE para os Negócios Estrangeiros (ESPANHOL)

"Se o nosso adversário tem um combate interno entre diferentes partidos, é evidente que isso é positivo do ponto de vista das operações militares. De repente, as tropas de Wagner abandonaram as suas posições na linha da frente e foram fazer outra coisa. Para os ucranianos, isto só pode ser positivo"

02.11

Os ministros aprovaram o aumento do orçamento do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz em do em 3 milhoes em meio de euros.

PUBLICIDADE

O complemento eleva o montante total para 12 mil milhões e financia missões e operações de segurança e defesa fora do territorio da UE.

O bloco comprometeu-se a usar cerca de metade para fornecer armas e assistência militar à Ucrânia.

O resto é usado em outras missoes em países de Africa, do Medio Oriente e da Europa, incuindo vizinhos da Russia como a Moldova e a georgia.

02.45

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países da NATO com fronteiras com a Bielorrússia e a Rússia estão em alerta

Ativista italiana candidata às eleições europeias passa para prisão domiciliária na Hungria

Partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha expulso do grupo Identidade e Democracia