EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Impasse político em Espanha pode gerar incerteza na sua presidência da UE

Os jornais espanhóis fizeram manchete com o impasse político
Os jornais espanhóis fizeram manchete com o impasse político Direitos de autor Manu Fernandez/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Manu Fernandez/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Aida Sanchez AlonsoIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O resultado das eleições em Espanha terá sido um alívio para aqueles que nas instituições da UE temiam uma ascensão da extrema-direita. Mas o impasse poderá criar incerteza sobre o sucesso do atual governo na presidência do Conselho da UE.

PUBLICIDADE

O partido de extrema-direita em Espanha, Vox, perdeu 19 deputados, naquela que é uma tendência contrária ao que aconteceu, recentemente, noutros países da União Europeia (UE), tais como Itália, Suécia e Finlândia.

Esse resultado também inviabilizou, por agora, um governo de maioria de direita, em coligação com o Partido Popular, o mais votado. Será este um sinal de abrandamento da ascensão da extrema-direita na Europa?

"Não se pode extrapolar este resultado para outros países europeus, não se pode dizer que a extrema-direita foi "travada" em Espanha e que vamos assistir a uma onda de reação contra a extrema-direita noutras partes da Europa, porque são partidos de extrema-direita distintos, que não surgiram da mesma raíz e que não têm os mesmos objetivos finais. E também acho que o Vox vai ter dificuldade em reerguer-se depois do fracasso de ontem", disse Camino Mortera, analista política no Centro para a Reforma Europeia, em Bruxelas, em entrevista à euronews.

Incerteza na gestão da presidência da UE

As eleições legislativas antecipadas realizaram-se pouco depois do início da presidência espanhola do Conselho da União Europeia, no segundo semestre do ano. Foram antecipadas pela coligação de centro-esquerda para clarificar a situação interna, depois de ter perdido as eleições regionais, mas poderá exigir nova ida às urnas ate ao final do ano, o que gera incerteza a nível da UE.

Não é claro se vamos assistir a uma repetição das eleições dentro de dois ou três meses. Obviamente, isto acrescenta incerteza a meio da presidência rotativa do Conselho da União Europeia.
Matías Pino
Analista, Europe Elects

"Pprovavelmente há sentimentos contraditórios em Bruxelas. Por um lado, haverá satisfação para alguns pelo facto da extrema-direita em Espanha não ter conseguido um resultado significativo, por ter menos deputados e  não ser capaz de condicionar um novo governo", referiu Matías Pino, analista do Europe Elects, à euronews.

"Mas, em todo o caso, a aritmética para formar um novo governo é um pouco incerta, imprevisível, e não é claro se o atual governo de coligação será revalidado. E também não é claro se vamos assistir a uma repetição das eleições dentro de dois ou três meses. Obviamente, isto acrescenta incerteza a meio da presidência rotativa do Conselho da União Europeia", acrescentou Pino.

Se a indefinição se arrastar, será complicado para o governo de Pedro Sánchez gerir a instabilidade interna com as tarefas em Bruxelas, que passam, sobretudo, pela coordenação de reuniões com ministros dos 28 países.

A Comissão Europeia precisa do apoio do executivo de Madrid para ajudar a aprovar legislação importante, tal como a reforma do mercado da eletricidade e o pacto sobre a migração e asilo.

"No que toca aos dossiês importantes que têm de ser finalizados, sabemos que, por vezes, falta apenas percorrer o último quilómetro mas que esse é o mais difícil. Por conseguinte, congratulo-me por poder contar com a dedicação espanhola, com a liderança espanhola e com o profundo espírito europeu espanhol. Aguardo com grande expetativa a Presidência espanhola", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, no discurso que fez na cerimónia de inauguração da presidência espanhola, em Madrid.

Espanha elencou quatro prioridades para a sua presidência da UE: reindustrialziação, combate às mudanças climáticas, mais justiça social e maior unidade política entre os Estados-membros da UE. O apoio à Ucrânia também será importante, tendo sido esse o país que Pedro Sánchez visitou logo no início da sua liderança do semestre.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Análise: Eleições antecipadas em Espanha enfraquecerão papel na UE?

Cimeira do G7 fecha com a Itália a anunciar empréstimos de 150 milhões de dólares para África

Kate Middleton reaparece em público pela primeira vez desde que anunciou que tinha cancro