EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

"Constrangimentos significativos": UE tem o mesmo número de painéis solares armazenados e instalados

Painéis solares são instalados numa central fotovoltaica flutuante num lago em Haltern, Alemanha, a 1 de abril de 2022\.
Painéis solares são instalados numa central fotovoltaica flutuante num lago em Haltern, Alemanha, a 1 de abril de 2022\. Direitos de autor AP Photo/Martin Meissner
Direitos de autor AP Photo/Martin Meissner
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com um relatório, a UE tem o mesmo número de painéis solares armazenados e instalados

PUBLICIDADE

De acordo com o relatório Freedom from Fossil Fuels da Rystad Energy, 40 gigawatts (GW) de painéis solares estão armazenados em armazéns em toda a União Europeia, o equivalente ao que foi instalado em todo o bloco de 27 países em 2022.

Se estes painéis fossem instalados, poderiam substituir sete biliões de metros cúbicos (bcm) de gás fóssil, que deverão aumentar para 15 bcm no final do ano, uma vez que a Rystad Energy prevê que o número de painéis armazenados deverá aumentar para 100 GW.

Para a empresa de investigação energética, esta é a prova de que existem "estrangulamentos e barreiras significativas" à instalação solar.

"Os países europeus precisam de expandir os programas de formação para os instaladores de painéis solares, resolver os estrangulamentos da rede e simplificar os processos burocráticos para que os painéis solares saiam dos armazéns e cheguem aos telhados das casas e das empresas o mais rapidamente possível", afirmou Tara Connolly, ativista da campanha Para Além dos Combustíveis Fósseis, em comunicado.

"Esta deveria ser a principal prioridade para os governos de toda a Europa que estão a tentar reduzir as emissões e fazer com que a Europa deixe de consumir gás rapidamente", acrescentou.

A UE prometeu tornar-se neutra em termos de carbono até meados do século e está a acelerar a sua diversificação energética, afastando-se dos combustíveis fósseis devido à guerra da Rússia na Ucrânia.

Antes da sua agressão à Ucrânia, Moscovo fornecia 40% das importações de gás natural da UE, bem como cerca de um quarto das importações de petróleo e 70% das remessas de carvão. Mas, desde então, a UE decretou um embargo à maior parte do petróleo e do carvão russos e reduziu drasticamente as importações de gás russo, recorrendo a fornecedores alternativos.

Esta dependência energética da Rússia e o facto de Moscovo a ter utilizado como arma - cortou o fornecimento de gás à Europa Ocidental através dos gasodutos Nord Stream - levaram a UE a duplicar o seu objetivo de utilização de energias renováveis até 2030 para 42,5%, tendo os Estados-Membros sido instados a reduzir a burocracia para esses projectos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Encontrado corpo nas buscas pelo adolescente britânico desaparecido em Tenerife

O que esperar da primeira sessão plenária do Parlamento após as eleições europeias?

Budapeste nega que investigação sobre Transparência Internacional seja para intimidar