Bruxelas disponibiliza 2,25 mil milhões de euros para ajudar a Grécia

A presidente da Comissão Europeia reuniu-se com o primeiro-ministro da Grécia
A presidente da Comissão Europeia reuniu-se com o primeiro-ministro da Grécia Direitos de autor ΔΗΜΗΤΡΗΣ ΠΑΠΑΜΗΤΣΟΣ/ 2023 ΑΘΗΝΑΙΚΟ ΠΡΑΚΤΟΡΕΙΟ ΕΙΔΗΣΕΩΝ - ΜΑΚΕΔΟΝΙΚΟ ΠΡΑΚΤΟΡΕΙΟ ΕΙΔΗΣΕΩΝ
Direitos de autor ΔΗΜΗΤΡΗΣ ΠΑΠΑΜΗΤΣΟΣ/ 2023 ΑΘΗΝΑΙΚΟ ΠΡΑΚΤΟΡΕΙΟ ΕΙΔΗΣΕΩΝ - ΜΑΚΕΔΟΝΙΚΟ ΠΡΑΚΤΟΡΕΙΟ ΕΙΔΗΣΕΩΝ
De  Sandor ZsirosIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia vai disponibilizar 2,25 mil milhões de euros para ajudar a Grécia após as recentes inundações devastadoras. O anúncio foi feito pela presidente, Ursula von der Leyen, terça-feira, em Estrasburgo, onde se encontrou com o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis.

PUBLICIDADE

As verbas extraordinárias para o governo de Atenas deverão sair de vários fundos comunitários, desde o da Coesão ao da Agricultura e ao dos Apoios Sociais. 

As tempestades causaram pelo menos 15 mortos na zona centro do país e em alguns locais a água ainda não escoou. A forte chuva seguiu-se a semanas de incêndios florestais de grandes dimensões.

Para Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, também é o momento de reforçar o orçamento para a gestão de crises, denominado Fundo de Solidariedade.

"No total, poderemos mobilizar para a Grécia 2,25 mil milhões de euros. Para além disso, a Comissão Europeia está pronta a avaliar um pedido grego ao abrigo do Fundo de Solidariedade. Nesse âmbito, é importante que os Estados-membros concordem com a nossa proposta de reforço do Fundo de Solidariedade e, se isso acontecer no próximo ano, poderemos disponibilizar até 400 milhões de euros", explicou a chefe do executivo comunitário, em conferência de imprensa.

Repensar o fundo para os desfios futuros

Criado em 2002, com dotação anual de 500 milhões de euros, para fazer face aos danos causados por catástrofes naturais, o fundo está quase vazio. Face aos desafios criados pelas alterações climáticas, há que repensar a sua gestão.

"Atualmente, penso que deveria ser feito mais para para apoiar a Grécia, mas também outras regiões da Europa que foram afetadas. No futuro, precisamos de construir um sistema de apoio mais resistente para que, quando situações como esta acontecem, o dinheiro possa fluir de forma mais direta, rápida e flexível", disse, à euronews,Terry Reintke, eurodeputada alemã os verdes.

No último ano, o Fundo de Solidariedade foi ativado várias vezes, incluindo para ajudar a Eslovénia, também vítima de cheias causadas por chuvas torrenciais,  e a Turquia, na sequência do terramoto. Portugal também já beneficiou meia-dúzia de vezes desde que o fundo foi criado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Med5" quer mecanismo de solidariedade

Leyen diz que "solidariedade" e "unidade" são fundamentais

"Estado da União": Escândalos políticos "aquecem" campanha eleitoral