EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Polónia prolonga embargo a cereais vindos da Ucrânia

Importação de cereais ucranianos está a criar tensões diplomáticas entre vários Estados-membros e a Ucrânia
Importação de cereais ucranianos está a criar tensões diplomáticas entre vários Estados-membros e a Ucrânia Direitos de autor ANATOLII STEPANOV/AFP or licensors
Direitos de autor ANATOLII STEPANOV/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Varsóvia recusa abrir fronteiras aos cereais do país vizinho. União Europeia tinha estipulado que o fim da proibição acontecia a 15 de setembro.

PUBLICIDADE

A Polónia vai manter o embargo aos cereais ucranianos após 15 de setembro, data fixada por Bruxelas para a abertura das fronteiras. Kiev já responder e diz estar disposta a levar o assunto à Organização Mundial do Comércio (OMC) para exigir uma compensação à Polónia.

Varsóvia é atualmente um dos principais fornecedores de ajuda militar e humanitária à Ucrânia e acolhe cerca de um milhão de refugiados ucranianos. No entanto, o governo polaco anunciou, esta terça-feira, que vai prolongar unilateralmente a proibição das importações de cereais vindos do país vizinho. 

"Ou a Comissão Europeia concorda com as nossas exigências e, depois de 15 de setembro, prorroga o embargo, - esta é a nossa exigência clara - ou nós próprios implementaremos as soluções que implementámos a 15 de abril", afirmou o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, referindo-se a uma proibição conjunta com a Hungria aos cereais ucranianos.

Janusz Wojciechowski, comissário europeu para a agricultura, também ele de origem polaca, é favorável a prolongar a proibição de importação de cereais da Ucrânia

De acordo com o responsável europeu com a pasta dos cereais, Bruxelas tem "investido esforços e recursos significativos para garantir que os cereais ucranianos possam ser exportados e transportados para onde são mais necessários". 

No início de maio, após a Rússia ter inviabilizado a exportação de cereais ucranianos pelo Mar Negro, a Comissão Europeia concordou que a Polónia e outros quatro Estados-membros (Bulgária, Hungria, Roménia e Eslováquia) suspendessem as importações de trigo, milho, colza e girassol da Ucrânia, desde que o trânsito para outros países fosse assegurado.

Wojciechowski alega que a "introdução de medidas preventivas temporárias estruturou e estabilizou o mercado nos países fronteiriços" e "não restringiu a exportação de cereais ucranianos através de corredores de solidariedade".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Navios com cereais chegam a Odessa por corredor temporário no Mar Negro

Prognóstico positivo para o PM eslovaco. Atacante ouvido pelo juiz

Verona: Papa abraça israelitas e palestinianos, familiares das vítimas da guerra