EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Hospital para animais marinhos em Aveiro acolhe aves, golfinhos e tartarugas

Em parceria com The European Commission
Hospital para animais marinhos em Aveiro acolhe aves, golfinhos e tartarugas
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Aurora Velez
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O hospital situado em Aveiro, Portugal está aberto 24 horas por dia e é capaz de tratar mais de mil animais feridos por ano.

Aberto 24 horas por dia, ao longo de todo o ano, o hospital para animais marinhos faz parte do projeto Ecomare, que se desenrola na ria de Aveiro, em Portugal.

A iniciativa visa proteger a biodiversidade marinha, salvar animais feridos e sensibilizar o público para a importância do mar e da proteção da biodiversidade marinha.

"Há duas palavras: sustentabilidade e reabilitação e conservação da vida marinha. Estamos a desenvolver investigação na área da aquacultura e da biotecnologia, mas, sobretudo, trabalhamos na recuperação de animais marinhos, porque é uma preocupação para nós podermos dar este contributo para todo o Portugal e, se for necessário, ajudamos outros países também", contou à euronews Artur Silva, Vice-Reitor para a Investigação e Inovação da Universidade de Aveiro.

Aves representam maioria dos feridos

As aves representam a maioria dos feridos, mas também há golfinhos e tartarugas, entre outras espécies. A equipa tratou uma tartaruga que teve de ser amamentada durante sete meses.

"Depois de ser tratada dos ferimentos, porque sofreu alguns cortes profundos, recuperou e agora está pronta para ser libertada. Colocámos-lhe um transmissor para ver como se moverá no oceano", contou Catarina Eira, coordenadora Científica do Centro de Investigação e Recuperação de Animais Marinhos (CPRAM).

Para preservar a saúde dos animais feridos ou doentes, o hospital não autoriza visitas. Mas, uma vez por mês, o centro de investigação abre as portas ao público no âmbito de um projeto de sensibilização à proteção dos oceanos.

Estudo do mar pode ajudar a encontrar curas para doenças

Os estudos sobe o meio marinho podem ter um impacto em muitas outras áreas.

"Utilizamos muitos corais para estudar questões de biotecnologia. Os corais são um reservatório fantástico de novas moléculas que podem levar à descoberta de novos medicamentos para curar o cancro e outras doenças, como as doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer e o Parkinson", sublinhou Ricardo Calado, coordenador científico do Centro de Extensão e de Pesquisa em Aquacultura e Mar (CEPAM).

O projeto Ecomare, considerado como uma das quinze melhores iniciativas apoiadas pela Europa nos últimos 15 anos, arrecadou um prémio RegioStars atribuído pela União Europeia.

O orçamento total da iniciativa é de 4 milhões e 800 mil euros. Cerca de 84% do montante é financiado pela Política de Coesão da União Europeia.

Nome do jornalista • Elza GONCALVES

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Geotermia e aquecimento urbano: um modelo para as cidades europeias?

Ilha de Porto Santo recupera fontes e moinhos com 200 anos de história

Ilha da Madeira otimiza gestão da água apostando nas energias renováveis