EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bruxelas faz marcha-atrás e não suspende ajudas aos palestinianos

Ataques na Faixa de Gaza
Ataques na Faixa de Gaza Direitos de autor Ramez Mahmoud/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Ramez Mahmoud/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vários Estados-membros manifestaram-se contra a decisão de travar os fundos. Espanha, Irlanda e Luxemburgo foram dos mais críticos

PUBLICIDADE

Primeiro, Bruxelas anunciou a suspensão das ajudas europeias aos palestinianos. Quase logo a seguir, fez marcha-atrás porque houve Estados-membros, que não foram consultados para a decisão, a reagir vigorosamente contra, nomeadamente a Espanha, a Irlanda e o Luxemburgo.

O que a Comissão Europeia fez foi introduzir uma nuance no discurso, passando a afirmar que "como não havia financiamentos previstos" no horizonte, "não há lugar a qualquer suspensão". 

Mas, na prática, como Josep Borrell veio confirmar, reverte-se aquilo que o comissário europeu Oliver Varhelyi tinha vindo dizer, que consistia no congelamento de todos os pagamentos e apoios à Palestina, e na reavaliação de todos os programas de assistência, após os ataques do Hamas em território israelita. 

O argumento era de que a União Europeia não podia providenciar financiamentos que pudessem vir a ser usados para atividades terroristas.

O que estava previsto também era que a medida surpresa fosse apresentada e debatida entre os responsáveis diplomáticos dos 27, esta terça-feira, numa reunião extraordinária.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Decisão unilateral de Várhelyi sobre fundos para Palestina embaraça UE

UE: Le Pen, Wilders e aliados debatem formação de supergrupo de extrema-direita

Eric Ciotti expulso do partido conservador francês por se ter aliado à extrema-direita