EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE quer promover energia eólica e afastar concorrência da China

Turbinas eólicas no parque eólico offshore de Saint-Nazaire, ao largo da costa da península de Guerande, no oeste de França
Turbinas eólicas no parque eólico offshore de Saint-Nazaire, ao largo da costa da península de Guerande, no oeste de França Direitos de autor Stephane Mahe/AP
Direitos de autor Stephane Mahe/AP
De  Mared Gwyn JonesLaszlo Seres, Isabel Marques da Silva (Trad.)
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A Comissão Europeia revelou um plano de ação, terça-feira, para impulsionar o setor da energia eólica e poderá desencadear investigações sobre subsídios por parte de países terceiros, tais como a China, que distorcem a concorrência e prejudciam a indústria europeia.

PUBLICIDADE

O plano visa salvaguardar o setor eólico do bloco europeu da concorrência internacional desleal, ao mesmo tempo que aborda desafios internos tais como a lentidão dos processos de licenciamento, a escassez de mão-de-obra e o acesso limitado às matérias-primas.

O continente "perdeu a liderança" para a região Ásia-Pacífico como o maior mercado mundial de energia eólica "no espaço de dois anos", afirmou a comissária europeia para a Energia, Kadri Simson.

Os Estados-membros da União Europeia (UE) decidiram que, até 2030, a energia de fontes renováveis deve ser de pelo menos 42,5% do total produzido. A capacidade instalada de energia eólica deve ser significativamente aumentada, para chegar aos 500 GW, em 2030 (face aos 205 GW, em 2022).

A energia eólica é uma das principais fontes de energia doméstica da UE e uma das apostas para a transição energética e climática no continente, mas o setor receia que as importações chinesas de equipamento mais barato possam prejudicar os fabricantes europeus.

Os comissários europeus para a Concorrência, Didier Reynders, e para o Mercado Interno, Thierry Breton, admitiram que o bloco possa lançar uma investigação aos subsídios concedidos pelo governo de Pequim aos fabricantes chineses de turbinas, tal como aconteceu com o inquérito em curso sobre os veículos elétricos.

"Tal como anunciámos para os veículos elétricos, penso que é altura de investigar se estas condições vantajosas se devem a condições de financiamento atraentes apoiadas pelo Estado para os fabricantes chineses, que não seriam possíveis na UE", escreveu Breton, em setembro.

Mas um alto funcionário da UE disse, na segunda-feira, que qualquer investigação exigiria provas de que a existência de subsídios chineses se traduz em "prejuízo económico" para a produção europeia.

"Estamos em contacto com a indústria e estamos dispostos a avaliar todas as provas que possam ser apresentadas", afirmou o funcionário.

Isto é bom para o emprego, para o crescimento e para a segurança energética da Europa. Tal como Ursula von der Leyen (presidente da Comissão Europeia) afirmou, no seu recente discurso sobre o Estado da União, o futuro da tecnologia limpa da Europa deve ser feito na Europa.
Giles Dickson
Diretor-executivo, WindEurope

A UE adoptou instrumentos anti-dumping e anti-subvenções em resposta à concorrência comercial global cada vez mais agressiva. Ao receber elementos de prova de prejuízo para a indústria europeia, a Comissão Europeia pode lançar um inquérito e, eventualmente, adotar medidas para proteger a indústria europeia, incluindo sanções comerciais.

A associação comercial Wind Europe congratulou-se com o plano de ação, considerando-o um "fator de mudança para a segurança energética da Europa".

"Isto é bom para o emprego, para o crescimento e para a segurança energética da Europa. Tal como Ursula von der Leyen (presidente da Comissão Europeia) afirmou, no seu recente discurso sobre o Estado da União, o futuro da tecnologia limpa da Europa deve ser feito na Europa", afirmou o diretor-executivo da WindEurope, Giles Dickson.

Combater os riscos de cibersegurança dos parques eólicos

O plano de ação também tem como objetivo reduzir as ameaças à segurança colocadas pelo crescimento dos parques eólicos na Europa, garantindo que os leilões - que permitem aos países adquirir energia limpa a preços competitivos - são redesenhados de forma a avaliar os riscos de cibersegurança.

A comissária Kadri Simson afirmou que o bloco precisa de inovar para garantir que "estas turbinas eólicas não recolham dados de uma forma que possa prejudicar as nossas infra-estruturas energéticas".

"Propomos que os Estados-membros utilizem critérios de pré-qualificação, tais como a dinâmica, a sustentabilidade e os requisitos de cibersegurança, para selecionar contratantes qualificados para participarem nos leilões", disse Simson. "Se gastamos milhares de milhões para desenvolver novos projetos, devemos mitigar os riscos para a implementação, para a igualdade de condições e para a segurança".

"Não fecharemos os nossos mercados, mas cuidaremos das nossas preocupações de segurança", acrescentou.

O bloco pretende, ainda, acelerar os processos de licenciamento: "A UE tem quatro vezes mais capacidade eólica em licenciamento do que em fase de construção. Isso tem de ser corrigido", admitiu Kadri Simson.

Os Estados-membros devem procurar maximizar o seu potencial de energia eólica para contribuir para uma transição justa e equitativa. Por exemplo, concentrando o investimento em regiões desfavorecidas, ajudando os trabalhadores das indústrias de combustíveis fósseis e de outras indústrias em declínio.
Arnaud Van Dooren
Analista político, WWF

Em resposta ao plano de ação, a organização não-governamental ambientalista WWF apelou à Comissão Europeia que garanta que os trabalhadores do setor dos combustíveis fósseis podem ser requalificados.

"Os Estados-membros devem procurar maximizar o seu potencial de energia eólica para contribuir para uma transição justa e equitativa. Por exemplo, concentrando o investimento em regiões desfavorecidas, ajudando os trabalhadores das indústrias de combustíveis fósseis e de outras indústrias em declínio e garantindo benefícios económicos para as comunidades locais", afirmou Arnaud Van Dooren, responsável pela política climática e energética do Gabinete de Política Europeia da WWF.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia espera que, ao apoiar a indústria eólica europeia, esta possa satisfazer a sua própria procura e, ao mesmo tempo, aumentar a sua quota no mercado mundial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin acelerou a transição ecológica na UE, diz Ursula von der Leyen

Alemanha volta a abrir centrais a carvão mas não descura a transição energética

"Temos de fechar os céus de Kharkiv", diz Presidente da Câmara