Bélgica promete resolver impasses da UE sobre Ucrânia e Médio Oriente

Hadja Lahbib, ministra dos Negócios Estrangeiros da Bélgica
Hadja Lahbib, ministra dos Negócios Estrangeiros da Bélgica Direitos de autor Darko Vojinovic/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Gregoire LoryIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Aprovar o mecanismo de apoio financeiro para a Ucrânia, que deverá vigorar de 2024 a 2027, é uma das prioridades da presidência semestral da União Europeia (UE) a cargo da Bélgica, no primeiro semestre, disse a chefe da diplomacia, Hadja Lahbib, em entrevista à euronews.

PUBLICIDADE

"Não assumimos uma presidência europeia e dizemos que não vamos ser bem sucedidos. Claro que vamos lá chegar. E a Bélgica é conhecida por construir pontes, por ouvir as diferentes vozes e por conseguir moderar-se e chegar a acordos", disse a ministra dos Negócios Estrangeiros, que está confiante num consenso, apesar do veto da Hungria, na cimeira da UE, em dezembro, ao pacote de 50 mil milhões de euros para a Ucrânia.

A Hungria insiste que o apoio deve ser dividido em quatro partes, com uma revisão anual, o que permitiria recorrer ao veto em cada ronda.

O governo de Viktor Orbán tem usado a Ucrânia como moeda de troca para obter o descongelamento de fundos europeus pela Comissão Europeia, que os reteve por causa de medidas autocráticas que colocam em causa o Estado de direito naquele Estado-membro.

Travar escalada no Médio Oriente

É óbvio que estamos horrorizados com o que está a acontecer hoje no Médio Oriente. A Bélgica tinha feito do relançamento das negociações de paz no Médio Oriente uma das suas prioridades, muito antes do que aconteceu a 7 de outubro.
Hadja Lahbib
Ministra dos Negócios Estrangeiros, Bélgica

Ainda na frente diplomática, a presidência belga quer ajudar a travar a escalada do conflito entre Israel e o Hamas, em Gaza, a outros países do Médio Oriente, tais como Líbano e Irão. Um desafio complexo face a desunião no bloco sobre um eventual cessar-fogo.

"Queremos, absolutamente, evitar uma escalada regional. As vozes do povo israelita e do povo palestiniano vão nessa direção. Portanto, é óbvio que estamos horrorizados com o que está a acontecer hoje no Médio Oriente. A Bélgica tinha feito do relançamento das negociações de paz no Médio Oriente uma das suas prioridades, muito antes do que aconteceu a 7 de outubro", afirmou Hadja Lahbib.

A presidência belga tem, ainda, que fechar com o Parlamento Europeu, quase uma centena e meia de dossiês legislativos antes da paragem dos trabalhos das comissões, em abril, por causa da campanha para as eleições europeias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE condena apelo de ministros israelitas à saída dos palestinianos de Gaza

“Proteger, fortalecer, antecipar” é o lema da Bélgica para presidência do Conselho da UE

Von der Leyan renova apelo à aquisão conjunta de armas na UE