Israel cita presidente da Comissão Europeia na sua defesa em tribunal

Os juízes e as partes na audiência no Tribunal Internacional de Justiça
Os juízes e as partes na audiência no Tribunal Internacional de Justiça Direitos de autor Patrick Post/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Shona Murray
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O governo de Israel alegou que age em conformidade com o direito internacional na operação militar na Faixa de Gaza, durante a sua defesa da acusação de genocídio, no Tribunal Internacional de Justiça, movida pela África do Sul.

PUBLICIDADE

Os advogados de defesa de Israel disseram que o país tem o direito de se defender após o ataque do Hamas, a 7 de outubro, e citaram até a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, na audiência, sexta-feira, em Haia, nos Países Baixos.

"O contexto real imediato e próximo para as alegações específicas de genocídio reivindicadas pela África do Sul reside nos acontecimentos de 7 de outubro. Como disse a presidente da Comissão Europeia, no dia 19 de outubro: "Não havia limite para o sangue que os terroristas do Hamas queriam derramar. Foram casa a casa, queimaram pessoas vivas, mutilaram crianças e até bebés. Porquê? Porque eram judeus"", citou o advogado Malcolm Shaw, sendo visível a frase atarvés de um elemento gráfico mostrado no tribunal.

Os advogados israelitas afirmam que as provas apresentadas pela África do Sul sobre situações que afetam os civis, tais como o aumento da fome e o sofrimento das crianças em particular, são da exclusiva responsabilidade do Hamas por usar a população palestiniana com escudos humanos.

Cumplicidade europeia?

Um ativista palestiniano, Shawan Jabarin, que faz parte da delegação no tribunal disse à euronews que a situação humanitária é crítica e acusa alguns Estados europeus de serem cúmplices.

"Apoiaram e apoiam Israel incondicionalmente. Figuras-chave da UE, os líderes europeus e das instituições da UE deram luz verde a Israel para continuar os crimes. Os europeus estão a perder o seu protagonismo e a sua moralidade", Shawan Jabarin, do Centro Palestiniano de Direitos Humanos Al-Haq.

O tribunal deverá decidir, nas próximas semanas, se aceita o pedido da acusação - África do Sul - para que sejam impostas nove medidas provisórias, que incluem a prevenção de mais danos irreparáveis aos palestinianos em Gaza e também a suspensão total da campanha militar israelita na região. 

Israel diz que isso é impossível porque não se aplicaria ao Hamas, que continuaria a enviar rockets para o sul de Israel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Manifestações em todo o mundo pedem paz na Palestina

Nicolas Schmit nomeado cabeça de lista pelos socialistas para as eleições europeias

Euronews em força nas eleições europeias que vão marcar uma era