"Imprudente": A ameaça de Trump aos aliados da NATO provoca uma forte reação na Europa

O ex-Presidente Donald Trump, candidato presidencial republicano, discursa num comício "Get Out The Vote" na Coastal Carolina University em Conway, S.C., no sábado, 10 de fevereiro de 2024.
O ex-Presidente Donald Trump, candidato presidencial republicano, discursa num comício "Get Out The Vote" na Coastal Carolina University em Conway, S.C., no sábado, 10 de fevereiro de 2024. Direitos de autor Manuel Balce Ceneta/AP
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os líderes europeus criticaram a sugestão de Donald Trump de que os EUA não protegeriam os membros da NATO que não cumprissem o objetivo de despesa da aliança.

PUBLICIDADE

O antigo presidente dos EUA e atual líder republicano sugeriu, num comício na Carolina do Sul, que "encorajaria" a Rússia a atacar qualquer país da NATO que não contribuísse com 2% do seu PIB para os cofres da aliança. 

Segundo Trump, o presidente de um "grande país" da Europa, que não foi identificado, perguntou-lhe: "Se não pagarmos e formos atacados pela Rússia, vocês protegem-nos?"

Trump disse que a sua resposta foi: "Não, não vos protegeria. Na verdade, encorajá-los-ia [a Rússia] a fazer o que lhes apetecer. Têm de pagar. Têm de pagar as vossas contas".

Josep Borrell, responsável pela política externa e de defesa da União Europeia, falou em Bruxelas na segunda-feira de manhã: "Sejamos sérios. A NATO não pode ser uma aliança militar 'à la carte'. [Não pode ser uma aliança militar que funciona em função do humor do Presidente dos EUA nesses dias].

"Não vou gastar o meu tempo a comentar qualquer ideia disparatada que surja durante esta campanha nos EUA", acrescentou.

Os comentários inflamados de Trump foram também censurados por Charles Michel, presidente do Conselho Europeu: "Declarações imprudentes sobre a segurança da NATO e a solidariedade do artigo 5.º servem apenas os interesses de Putin", afirmou Michel na plataforma social X.

O artigo 5º exige que cada um dos 31 países da aliança militar ajude qualquer membro que seja vítima de um ataque armado. Só foi invocado uma vez, na sequência do ataque terrorista de 11 de setembro contra os Estados Unidos.

"Não trazem mais segurança nem paz ao mundo", prosseguiu Michel, "pelo contrário, realçam a necessidade de a UE continuar a desenvolver urgentemente a sua autonomia estratégica e a investir na sua defesa. E de manter a nossa Aliança forte."

O comissário europeu para o mercado interno, Thierry Breton, disse ao canal de televisão francês LCI que os comentários de Trump mostram que a democracia americana está "doente".

"Não podemos jogar a nossa segurança de quatro em quatro anos", afirmou Breton, referindo-se às eleições presidenciais nos EUA.

Breton também afirmou que os comentários de Trump estavam relacionados com uma conversa que teve com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, quando estava no cargo em 2020. Trump terá dito que os EUA não ajudariam a Europa se esta fosse atacada.

"Tem de compreender que, se a Europa estiver a ser atacada, nunca iremos ajudá-la e apoiá-la", disse Trump durante o Fórum Económico Mundial de Davos, em 2020, segundo Breton, acrescentando que "a propósito, a NATO está morta".

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Alemanha - um dos maiores gastadores da NATO, mas cuja despesa não atinge o objetivo de 2% do PIB - disse que "este credo da NATO mantém mais de 950 milhões de pessoas seguras - de Anchorage a Erzurum".

O eurodeputado belga Guy Verhofstadt, que faz parte da delegação do Parlamento Europeu para as relações com os Estados Unidos, também apelou para que a UE "coordene e integre os esforços de defesa, desde a aquisição até ao destacamento", para reduzir a dependência de Washington.

Os funcionários de Bruxelas estão cada vez mais preocupados com o facto de um regresso de Trump poder perturbar gravemente a política ocidental em relação à Ucrânia e corroer a influência da NATO.

O bloco está a tentar aumentar a sua indústria de defesa e as suas capacidades militares, numa tentativa de reforçar a sua chamada "autonomia estratégica".

Os receios de que Trump possa voltar a impor tarifas comerciais punitivas aos produtos da UE que entram nos EUA também estão a fazer soar o alarme. Trump prometeu que, se for eleito, aplicará um imposto de 10% sobre todas as importações estrangeiras e taxas ainda mais elevadas sobre os produtos fabricados na China.

Um porta-voz da Comissão Europeia afirmou na segunda-feira que o executivo está a "criar um processo interno estruturado para se preparar para todos os resultados possíveis das eleições presidenciais nos EUA", mas não forneceu mais pormenores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump vai "encorajar" a Rússia a atacar os Estados da NATO que não gastem o suficiente

Regresso de Donald Trump pode deixar a Europa "sozinha", alerta De Croo

Agricultores criticam "medidas neoliberais", em protesto junto das instituições da UE