Deputada alemã Strack-Zimmermann vai liderar os liberais nas eleições europeias

Marie-Agnes Strack-Zimmermann fala durante o evento da Quarta-feira de Cinzas do FDP em Dingolfing, Alemanha, na quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024.
Marie-Agnes Strack-Zimmermann fala durante o evento da Quarta-feira de Cinzas do FDP em Dingolfing, Alemanha, na quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024. Direitos de autor Uwe Lein/(c) Copyright 2024, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Mared Gwyn Jones
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Marie-Agnes Strack-Zimmermann vai juntar-se à corrida para a presidência da Comissão Europeia. A deputada alemã e veterana do setor da defesa foi escolhida para ser a candidata principal do Partido Liberal Europeu (ALDE) nas eleições europeias de junho.

PUBLICIDADE

Strack-Zimmermann pertence ao Partido Democrata Livre (FDP) da Alemanha, que integra a coligação governamental tripartida, liderada pelo chanceler Olaf Scholz. 

O ALDE é uma das três forças políticas que compõem o grupo Renovar a Europa no Parlamento Europeu, uma bancada que agrega eurodeputados eleitos por partidos políticos liberais e pró-europeus.

As outras duas forças políticas que pertencem ao Renovar a Europa são o Partido Democrático Europeu (EDP) - ele próprio um agregador de vários partidos - e o partido Renascimento, do presidente francês, Emmanuel Macron.

O EDP nomeou como candidato Sandro Gozi, atual membro do Parlamento Europeu, e o Renacimento está a ponderar escolher Valérie Hayer, que também preside ao grupo Renovar a Europa no Parlamento Europeu.

Entre os partidos que o integram o ALDE contam-se o Partido Reformista da Estónia, da primeira-ministra estónia Kaja Kallas, e o Partido Popular para a Liberdade e a Democracia, do primeiro-ministro interino neerlandês Mark Rutte.

O perfil "forte e adequado"

Especialista em defesa, Strack-Zimmermann ganhou reputação a nível nacional pelas suas críticas à guerra da Rússia contra a Ucrânia. Presidente da comissão de defesa do Parlamento alemão, a deputada tem pressionado o chanceler Olaf Scholz a reforçar o apoio militar à Ucrânia, fornecendo mais munições e armas de longo alcance, incluindo mísseis de cruzeiro Taurus.

A sua nomeação será formalizada através de uma votação pelos delegados do ALDE num evento de lançamento da campanha do grupo Renovar a Europa, em Bruxelas, a 20 de março. 

"O Partido ALDE acredita que Marie-Agnes tem um perfil forte e adequado, que é necessário para transmitir a nossa mensagem liberal na campanha europeia para que a Europa recupere uma vantagem competitiva, para que os nossos cidadãos recuperem a confiança nas instituições europeias e para tornar a Europa um lugar seguro para os seus cidadãos", afirmou o partido num comunicado.

Um porta-voz do Renovar a Europa disse à Euronews que, quando os três partidos se reunirem em Bruxelas, no final deste mês, é provável que Strack-Zimmermann seja aprovada como a principal escolha dos três, provavelmente para representar a bancada nos debates eleitorais e liderar os discursos nos comícios eleitorais.

Os três partidos vão também apresentar manifestos individuais, mas chegaram a acordo sobre "10 prioridades" comuns, que deverão ser reveladas ainda este mês.

Mas é provável que nenhum dos três candidatos tenha hipóteses de chegar ao lugar cimeiro da Comissão Europeia, com as últimas sondagens a preverem quebra de votos no grupo Renovar a Europa, descendo do terceiro para o quinto lugar.

Ursula von der Leyen, a principal candidata do Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, deverá passar sem contestação para garantir um segundo mandato à frente da Comissão.

"Europa da liberdade"

O partido FDP já lançou a sua campanha eleitoral e Strack-Zimmermann será também cabeça de lista do partido, defendendo uma economia de mercado livre e prometendo menos burocracia, mais liberdades individuais e mais segurança para os europeus.

Chairwoman of the Defense Committee of the German Bundestag Marie-Agnes Strack-Zimmermann drinks a beer at the start of the FDP's Ash Wednesday event in Dingolfing, Germany,
Chairwoman of the Defense Committee of the German Bundestag Marie-Agnes Strack-Zimmermann drinks a beer at the start of the FDP's Ash Wednesday event in Dingolfing, Germany,Uwe Lein/(c) Copyright 2024, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten

No seu manifesto, o seu partido propõe mais apoio à Ucrânia para que possa "ganhar a guerra e recuperar a sua integridade territorial", um impulso para mais acordos de comércio livre, incluindo com os EUA, uma nova "Lei de Redução da Burocracia" da UE e a legalização da canábis.

O líder do FDP, Christian Lindner, que é ministro das Finanças da Alemanha, disse que a campanha do partido é "uma dupla declaração de guerra" contra aqueles que são contra a unificação europeia e aqueles que querem fazer da UE uma "armadilha burocrática".

O partido espera que o forte perfil interno que Strack-Zimmermann desenvolveu sobre a política de defesa no contexto da agressão da Rússia possa ajudar a aumentar o seu apoio nas sondagens.

PUBLICIDADE

Mas com os três partidos da coligação governamental alemã a debaterem-se com alguns dos mais baixos índices de aprovação da sua história, o seu partido enfrenta uma batalha difícil. As sondagens recentes colocam o FDP em 5%, a sua taxa de apoio mais baixa desde as eleições federais de 2021.

O FDP também tem provocado muitas vezes agitação em Bruxelas por tentativas de última hora de vetar leis fundamentais da UE, incluindo a eliminação progressiva do motor de combustão e, mais recentemente, novas regras que obrigam as empresas a avaliar os parceiros comerciais quanto a danos ambientais e abusos dos direitos humanos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições: Aliança Livre Europeia pede comissário para minorias

Congresso PPE: Ursula Von der Leyen aclamada como cabeça de lista às eleições

Nicolas Schmit nomeado cabeça de lista pelos socialistas para as eleições europeias