Nicolas Schmit nomeado cabeça de lista pelos socialistas para as eleições europeias

Nicolas Schmit nomeado candidato do Partido Socialista Europeu às eleições europeias
Nicolas Schmit nomeado candidato do Partido Socialista Europeu às eleições europeias Direitos de autor Alessandra Tarantino/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Alessandra Tarantino/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  Jorge LiboreiroIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os socialistas nomearam oficialmente Nicolas Schmit, do Luxemburgo, como "Spitzenkandidat" (cabeça de lista) do Partido Socialista Europeu na corrida ao cargo de chefe da Comissão Europeia nas eleições de junho.

PUBLICIDADE

Os socialistas europeus reuniram-se em Roma para confirmar a candidatura de Nicolas Schmit como o cabeça de lista (“Spitzenkandidat”) do Partido Socialista Europeu (PES) às eleições de junho.

Schmit, o atual Comissário Europeu para o Emprego e Direitos Sociais, recebeu o mandato por aclamação na tarde de sábado no final do congresso do partido em Roma. O político luxemburguês, de 70 anos, liderou a corrida interna sem contestação, pois era o único nome apresentado.

"Não permitiremos que a Europa tome o caminho da austeridade e da repressão social como fez durante a crise financeira. Este é o argumento principal, por isso queremos vencer essas eleições, juntos, em todos os 27 estados membros", disse Schmit à plateia em La Nuvola, nos arredores de Roma, quando subiu ao palco cercado por jovens ativistas.

"Quero que os eleitores saibam que os sociais democratas continuarão a lutar por todos os cidadãos e respeitarão os seus compromissos e promessas."

Como resultado, Schmit enfrentará a sua atual chefe, Ursula von der Leyen, a principal candidata do Partido Popular Europeu (EPP).

Ambos fazem parte do chamado sistema “Spitzenkandidaten”, sob o qual os partidos que participam nas eleições para o Parlamento Europeu devem selecionar um cabeça de lista para presidir a Comissão Europeia, a instituição mais poderosa e influente do bloco. Alguns grupos seguem o modelo, enquanto outros optam por ignorá-lo.

A próxima corrida, no entanto, será profundamente desigual: Ursula von der Leyen é indiscutivelmente pioneira graças à forte reputação que construiu ao longo de seu primeiro mandato na Comissão, da qual liderou políticas transformadoras para lidar com a mudança climática, a pandemia da COVID-19, a invasão da Ucrânia pela Rússia, a crise energética e o comportamento assertivo da China.

Schmit, por sua vez, manteve um perfil discreto desde a sua chegada a Bruxelas em 2019, quando von der Leyen lhe atribuiu a pasta de empregos e direitos sociais. Entre os seus projetos mais notáveis estavam o lançamento de um programa de 100 mil milhões de euros para projetos de trabalho de curto prazo durante o confinamento e uma diretiva para garantir que os salários mínimos sejam estabelecidos em "níveis adequados." A proposta de Schmit para melhorar as condições dos trabalhadores de plataformas como Uber, Deliveroo e Glovo, está atualmente bloqueada em negociações entre os estados membros e está perto de cair.

O gabinete de Schmit é um dos que supervisionam o congelamento de fundos da UE para a Hungria devido a deficiências persistentes do estado de direito. O Comissário enfrentou a ira do Parlamento depois de o executivo ter libertado 10,2 mil milhões de euros em fundos de coesão para Budapeste, apesar da atitude antagónica de Viktor Orbán, e dos apelos da sociedade civil. Até à data, a Hungria continua a não ter acesso a cerca de 21 mil milhões de euros em fundos de coesão e de recuperação.

Falando perante os líderes do PES/PSE, incluindo o alemão Olaf Scholz, o espanhol Pedro Sánchez, o português António Costa e o dinamarquês Mette Frederiksen, o candidato nomeado tentou construir a sua base de poder e prometeu defender os valores e prioridades do partido: direitos laborais, igualdade de género, ação climática e justiça social.

"Somos o movimento que luta contra a precariedade, especialmente a vida e o trabalho dos jovens", disse. "Lutaremos pelo Green Deal com um coração vermelho."

Ainda assim, Schmit não tem praticamente nenhuma chance de assumir a Comissão. Os Socialistas e Democratas (S&D), o grupo no Parlamento Europeu que engloba os membros do PES/PSE, deverá terminar em segundo lugar nas eleições de Junho. A última estimativa da Europe Elects, um agregador de pesquisas, mostra uma distância considerável entre o S&D (de 154 assentos em 2019 para 140 em 2024) e o PPE (de 182 para 180).

Questionado sobre a lacuna de reconhecimento entre ele e von der Leyen, Schmit disse que tinha "muita estima" pela presidente, mas insistiu que "somos ambos candidatos."

"Vamos ver", disse ele. "A campanha vai começar e depois convido todos a julgar."

A própria alma da Europa está em risco

Ainda mais preocupante para os socialistas, as previsões também preveem uma forte ascensão de partidos de extrema-direita, que inclinariam o hemiciclo decisivamente em direção a ideias conservadoras e longe das causas progressistas que os socialistas favorecem.

Durante o primeiro mandato de von der Leyen, a grande coligação entre o PPE, S&D e os liberais da Renew Europe revelou-se fundamental para avançar com propostas ambiciosas e de longo alcance para acelerar a transição para a neutralidade climática, travar os excessos no mundo digital, reformar a política de migração e asilo do bloco, garantir o apoio financeiro contínuo para a Ucrânia, aumentar a produção doméstica de tecnologia de ponta e diminuir a dependência de fornecedores não confiáveis, como a Rússia e a China.

Mas no ano passado, a grande coligação começou a vacilar e tremer, enquanto o PPE adotava uma atitude mais conflituosa contra o Green Deal, uma das principais iniciativas de von der Leyen, alegando que as múltiplas legislações aprovadas para cortar as emissões de gases de efeito estufa no bloco criaram burocracia excessiva para o setor privado, dificultaram o investimento e arriscaram a perda de competitividade.

A feroz batalha sobre a Lei da Restauração da Natureza, um regulamento para reabilitar gradualmente os ecossistemas degradados da UE, revelou a tensão latente entre conservadores e socialistas, com recriminações amargas e acusações. Embora o PPE tenha eventualmente perdido essa luta, permitiu ao grupo reposicionar-se como um "pró-negócios" e, particularmente, um "partido pró-agricultores", uma postura que os recentes protestos só reforçaram.

PUBLICIDADE

A retirada de Von der Leyen de uma lei contenciosa para reduzir pela metade o uso de pesticidas químicos, uma importante fonte de emissões de nitrogênio, foi calorosamente celebrada pelos parlamentares do PPE no mês passado. O movimento marcou a primeira grande derrota sob o Green Deal.

Em resposta a essa mudança ideológica, os socialistas aumentaram sua retórica, alertando que o PPE está a afastar-se do centro principal e a normalizar os pontos de discussão da extrema-direita para fins puramente eleitorais. As alianças entre conservadores tradicionais e formações de extrema-direita em países como Itália, Suécia e Finlândia são evidências dessa linha cada vez mais tênue, disseram os líderes socialistas em Roma.

Nicholas Schmit, Marcel Ciolacu, Elly Schlein, Pedro Sanchez, Antonio Costa and Olaf Schol
Nicholas Schmit, Marcel Ciolacu, Elly Schlein, Pedro Sanchez, Antonio Costa and Olaf ScholMauro Scrobogna/LaPresse via AP

No seu discurso, Schmit deixou claro que sua família política não cooperará com Identidade e Democracia (ID) ou com os Conservadores e Reformistas Europeus (ECR), os dois grupos mais eurocéticos do Parlamento Europeu. O candidato então pediu ao PPE e aos liberais para "serem coerentes consigo mesmos" e "permanecerem fiéis à sua própria história, ao seu compromisso europeu" antes de fazerem novas alianças.

"Lutaremos contra aqueles que propagam ódio e divisão em nossas sociedades, aqueles que alimentam medos e preparam o retorno do nacionalismo", disse Schmit. "A normalização da extrema direita, como vimos na Holanda, é perigosa e irresponsável."

Uma mensagem semelhante foi ecoada pelo primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez, que falou de "fantasmas do passado" que rastejam sobre as instituições europeias, ansiando por um tempo que "nunca existiu."

PUBLICIDADE

"A extrema direita está a crescer em toda a Europa, em muitos lugares apoiados pela direita convencional que imita argumentos e técnicas populistas", disse Sánchez no congresso.

"A própria alma da Europa está em risco. E, mais uma vez, cabe a nós, os sociais-democratas, derrotar essa ameaça e garantir que a história continue a avançar na direção certa."

Palavras também ecoadas pelo primeiro-ministro de Portugal, "precisamos de enfrentar o populismo, abordando as suas causas. Precisamos abordar o medo e propor uma narrativa de esperança. Juntos, construiremos uma Europa mais justa e mais social", recomendou António Costa.

"Precisamos transformar desafios em oportunidades - uma política industrial honesta da UE para alcançar uma economia dinâmica que crie novos e melhores empregos e melhore as condições de vida”, acrescentou o ainda primeiro-ministro português. “E Nicolas Schmit é o melhor candidato para fazer isso - ele fez um trabalho notável no comando do pilar social da UE", concluiu Costa, endossando o comissário para o Emprego e Direitos Sociais.

Apesar das perspetivas difíceis que se avizinham, os socialistas juntaram forças para recuperar o seu legado, argumentando as principais respostas políticas dadas às crises mais recentes, incluindo o fundo de recuperação de 750 mil milhões de euros e a aquisição conjunta de vacinas contra o coronavírus, foram inspirados pela social-democracia e, portanto, justificaram a validade de sua ideologia.

PUBLICIDADE

"Estas eleições são cruciais para o futuro da Europa. Cabe a nós fornecer soluções progressistas e justas para os principais desafios que ameaçam as nossas sociedades e o nosso povo", disse a primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, referindo-se ao contrabando de migrantes, dumping social, evasão fiscal corporativa e pobreza infantil.

"O próximo passo é demonstrar como os nossos objetivos social-democratas de justiça social, económica (igualdade), ambição verde e segurança andam de mãos dadas."

As eleições para o Parlamento Europeu vão realizar-se entre 6 e 9 de Junho. Cerca de 350 milhões de eleitores elegíveis serão chamados a votar em 27 Estados-Membros.

No rescaldo das eleições, os líderes da UE devem se reunir em uma cúpula crucial para dividir os principais cargos do bloco: presidente da Comissão Europeia, presidente do Conselho Europeu e alto representante para a política externa e de segurança.

Com a Comissão praticamente garantida a aterrar no campo do PPE, os socialistas pretendem assegurar a presidência do Conselho Europeu, atualmente ocupado por Charles Michel, um político liberal da Bélgica.

PUBLICIDADE

*Este artigo foi atualizado com mais informações sobre o Congresso PES.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Euronews em força nas eleições europeias que vão marcar uma era

Tudo o que precisa de saber: O seu guia para as eleições europeias de 2024

As vozes de alguns cidadãos a 100 dias das eleições europeias