EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Liberais europeus desafiam as convenções (mais uma vez) e apostam em três nomes para as eleições europeias

Da esquerda para a direita: Sandro Gozi, Marie-Agnes Strack-Zimmermann e Valérie Hayer.
Da esquerda para a direita: Sandro Gozi, Marie-Agnes Strack-Zimmermann e Valérie Hayer. Direitos de autor European Parliament & ALDE.
Direitos de autor European Parliament & ALDE.
De  Jorge LiboreiroShona Murray
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os liberais europeus propuseram não um, mas três nomes para liderar a sua campanha para as eleições para o Parlamento Europeu.

PUBLICIDADE

Marie-Agnes Strack-Zimmermann, uma política alemã que preside à comissão de defesa do Bundestag, vai juntar-se a dois eurodeputados em funções, Sandro Gozi e Valérie Hayer, na chamada "Equipa Europa", que representará a família liberal no escrutínio europeu, previsto para 6 a 9 de junho.

A iniciativa pouco convencional, apresentada oficialmente durante o evento de lançamento do partido na quarta-feira à noite, é um desafio direto ao sistema Spitzenkandidaten, segundo o qual cada partido deve nomear um candidato principal para presidir à instituição mais poderosa do bloco: a Comissão Europeia.

O Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, escolheu Ursula von der Leyen, a atual presidente, enquanto os Socialistas e Democratas (S&D) escolheram Nicolas Schmit, o Comissário Europeu para o Emprego e os Direitos Sociais.

Mas os liberais não estão a alinhar, argumentando que a falta de listas transnacionais, uma ambição de longa data dos legisladores pró-integração que tem encontrado firme resistência dos Estados-Membros, priva o sistema Spitzenkandidaten de significado real.

Em 2019, os liberais apresentaram sete nomes, incluindo Margrethe Vestager, diretora-geral da Concorrência, e Guy Verhofstadt, antigo primeiro-ministro da Bélgica.

Desta vez, reduziram-se a um triunvirato que personifica cada um dos três pilares que constituem a sua família política: Strack-Zimmermann, da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE), Gozi, do Partido Democrático Europeu (PDE), e Hayer, dos não-inscritos, ou seja, da Renascença francesa.

Apesar da disposição igualitária, Strack-Zimmermann, uma especialista em defesa de 66 anos, que ganhou reputação pelas suas críticas à guerra de agressão da Rússia e pela pressão que continua a exercer sobre o chanceler Olaf Scholz para que aumente o fornecimento de material militar à Ucrânia, é considerada o principal rosto da campanha e participará provavelmente em qualquer debate televisivo ao lado dos outros grupos concorrentes.

"A nossa mensagem deve ser clara e inequívoca: neste momento difícil, a Europa precisa de uma voz liberal forte", disse Strack-Zimmermann à audiência, suscitando aplausos.

"Vamos renovar a Europa agora, juntos. Aguardo com expetativa uma campanha eleitoral otimista e pró-europeia. Prometo-vos: Vou dar tudo o que tenho", acrescentou.

Gozi disse que os três são "verdadeiros candidatos", uma vez que estão todos a concorrer a um lugar no Parlamento Europeu, ao contrário de von der Leyen e Schmit, que não estão. O italiano também criticou o Reino Unido, por ter perdido o "controlo" da migração irregular, numa referência ao slogan do Brexit, e o húngaro Viktor Orbán, dizendo que "se não respeitarem os valores europeus, podem esquecer o dinheiro europeu".

"Acreditamos que cada geração deve travar a sua própria batalha para proteger os direitos que temos e para fazer avançar a causa dos direitos civis", disse Gozi. "No momento em que os tomamos como garantidos, é nesse preciso momento que começamos a perdê-los."

Os três candidatos irão defender um manifesto de 10 pontos que foi finalizado na quarta-feira após negociações entre as diferentes facções. O manifesto resume as principais prioridades do liberalismo, como a redução da burocracia, a promoção da competitividade e a proteção das liberdades individuais.

A reunião em Bruxelas contou com uma mensagem em vídeo do Primeiro-Ministro belga Alexander De Croo e com um discurso pessoal da Primeira-Ministra da Estónia, Kaja Kallas, que estabeleceu uma ligação clara entre as capacidades de defesa da Europa e a sua prosperidade económica.

"Os países europeus têm de garantir que são capazes de se dissuadir e defender, também das ameaças e ataques externos", disse Kallas à multidão. "A liberdade não é de graça. Todos nós pagamos por ela. E temos de explicar os custos aos nossos eleitores."

Tempos incertos para os liberais

O evento de lançamento acontece numa altura em que o grupo Renew Europe, que acolhe os eurodeputados liberais no Parlamento Europeu, enfrenta um futuro incerto no meio de uma paisagem política em mudança e de um clima de crise que parece favorecer os pontos de vista da extrema-direita.

PUBLICIDADE

Uma sondagem pan-europeia exclusiva da Euronews, realizada pela Ipsos em 18 Estados-Membros, revelou esta semana que o grupo Renew Europe deverá passar dos actuais 102 deputados para 85 em junho. De acordo com esta projeção, o grupo manterá a sua posição como a terceira maior formação do hemiciclo, mas corre o risco de ser ultrapassado pelo grupo de extrema-direita Identidade e Democracia (ID), que deverá obter 81 lugares. A ID é a força mais radical da direita e engloba grupos como o Rally Nacional (França), a Alternative für Deutschland (Alemanha) e o Interesse Flamengo (Bélgica).

O Renew Europe enfrenta também o espetro do grupo de extrema-direita Conservadores e Reformistas Europeus (ECR), que a sondagem Ipsos da Euronews projecta para 76 lugares. Mas este número poderá aumentar ainda mais se o ECR acabar por acolher os eurodeputados do Fidesz (Hungria).

O primeiro-ministro Orbán não escondeu que pretende integrar os seus deputados na família ECR, depois de ter estreitado os laços com Geórgia Meloni, cuja Fratelli d'Italia deverá tornar-se a maior delegação do grupo. No entanto, as delegações checa, sueca e finlandesa do ECR opuseram-se à ideia de aceitar o Fidesz devido às relações estreitas de Orbán com Vladimir Putin, da Rússia, e Xi Jinping, da China. Espera-se uma decisão após as eleições.

Se o Fidesz se juntasse à ECR, o Renew Europe passaria provavelmente do terceiro para o quinto lugar no Parlamento, o que seria um rude golpe para a família centrista, que se orgulha de atuar como "kingmakers" entre a direita e a esquerda.

PUBLICIDADE

O que torna as coisas mais complicadas para os liberais é a perceção de que o PPE, sob a liderança de Manfred Weber, está a abraçar os pontos de vista da extrema-direita e a normalizar forças que antes eram consideradas marginais.

As preocupações foram o leitmotiv do congresso socialista em Roma e foram repetidas na manhã de quarta-feira por Valérie Hayer, presidente da Renew Europe e uma das três principais candidatas. A eurodeputada francesa acredita, no entanto, que a conversão ideológica pode ser um caso de eleitoralismo e que irá desaparecer quando a campanha terminar.

"O que vimos, especialmente no ano passado, foi bastante surpreendente. Em 2023, a aproximação entre a direita e a extrema-direita era evidente", disse Hayer durante um pequeno-almoço com jornalistas, no qual participou a Euronews.

"Estou a falar do ano de 2023 porque, para mim, foi um ano crucial em que vimos Weber a tentar aproximar-se da extrema-direita. Tenho a impressão de que ele compreendeu que isso arriscava enfraquecer a unidade e a coesão do seu grupo político e que, por isso, travou de alguma forma essa estratégia".

PUBLICIDADE

O eurodeputado francês sublinhou a importância de manter o "cordão sanitário" que até agora tem mantido os partidos pró-europeus (PPE, S&D, Renew e Verdes) separados do movimento eurocético da ECR e da extrema-direita ID. Mas os laços mais estreitos entre os conservadores põem em dúvida a viabilidade de tal barreira.

"Podemos trabalhar sem a ECR, já o fazemos atualmente. Temos o PPE, o S&D e o Renew, e potencialmente os Verdes, na coligação", disse Hayer. "Mas, de qualquer forma, a nossa linha é clara: não trabalhamos com os extremos, não damos qualquer responsabilidade aos extremos."

No entanto, o seu partido não está imune à mudança de pensamento: políticos liberais na Bélgica, Holanda, França e Alemanha tornaram-se cada vez mais cépticos em relação ao Acordo Verde e aos encargos administrativos impostos aos agricultores e à indústria. No ano passado, De Croo fez manchetes quando pediu uma "pausa verde". A queixa é partilhada pelo PPE, que se reinventou como o "partido dos agricultores".

Os liberais fizeram questão de se juntar ao movimento durante o evento de campanha em Bruxelas, com um vídeo mostrado ao público: "Não mordam a mão daqueles que nos alimentam".

PUBLICIDADE

Este artigo foi atualizado com mais informações.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Partidos de direita da Roménia juntam esforços para campanha às europeias

É oficial. Marcelo marca eleições antecipadas na Madeira para 26 de maio

Erdoğan rejeita plano da ONU para um Chipre federado