Sondagem exclusiva Euronews: grande coligação pró-UE enfrenta dificuldades, mas ainda está viva

Eleições europeias realizam-se entre 6 e 9 de junho
Eleições europeias realizam-se entre 6 e 9 de junho Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Jean-Francois Badias/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O aumento do apoio à extrema-direita e o colapso dos Verdes e dos Liberais não vão alterar a aritmética fundamental dos deputados ao Parlamento Europeu após as eleições de junho, segundo a sondagem Euronews/Ipsos.

PUBLICIDADE

É provável que o apoio à extrema-direita aumente no próximo Parlamento Europeu, mas os partidos pró-europeus continuarão a deter 63% dos lugares, de acordo com uma sondagem realizada pela Ipsos para a Euronews, publicada hoje (19 de março).

A sondagem exclusiva - realizada com cerca de 26,000 pessoas, em países que representam 96% da população da UE - é a primeira do género no período que antecede as eleições marcantes previstas para junho.

Os resultados previstos não irão alterar o cálculo fundamental do Parlamento Europeu, onde os centristas continuarão a reunir a maioria necessária para confirmar dirigentes e aprovar legislação, segundo as sondagens.

No entanto, os partidos da direita radical e eurocética poderão registar ganhos significativos, liderando as sondagens em quatro dos seis membros fundadores da UE - enquanto as incertezas sobre a filiação partidária sugerem que ainda há muito em jogo.

Com cerca de 400 milhões de eleitores, as eleições que se realizarão de 6 a 9 de junho de 2024 para eleger 720 deputados europeus serão um dos maiores exercícios democráticos do mundo.

Apesar de cinco anos turbulentos, durante os quais a Europa enfrentou a pandemia, a subida dos preços e uma guerra em grande escala, a Ipsos prevê pouquíssimas alterações na sorte dos dois partidos políticos dominantes da UE.

Pró-europeus continuam a ter maioria

De acordo com a sondagem, o número de deputados europeus detidos pelo PPE, de centro-direita, e pelos socialistas, de esquerda, deverá alterar-se apenas em alguns pontos percentuais em relação à sua posição atual.

Em terceiro lugar, ficará a enfraquecida coligação liberal de Emmanuel Macron, Renovar a Europa, enquanto a ascendente direita radical ID e os grupos eurocéticos ECR farão com que o Partido Verde caia para o sexto lugar, segundo a sondagem.

Uma das primeiras tarefas fundamentais do próximo Parlamento Europeu será a aprovação do Presidente da Comissão Europeia.

Assim, os resultados são uma boa notícia para a atual Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, cujo grupo, o PPE, parece estar destinado a liderar a sondagem com facilidade, assegurando 177 dos 720 deputados europeus.

A atual presidente poderá obter a maioria de que necessita com o apoio de dois outros grandes partidos pró-europeus, incluindo os Socialistas e os Verdes ou os Liberais, de acordo com os resultados.

Mas esses números não contam toda a história, disse Fabian Zuleeg, do Centro de Política Europeia, numa entrevista à Euronews - uma vez que, na prática, os partidos e os países nem sempre se mantêm leais nas votações que são feitas sobre questões políticas individuais.

"Se o centro for enfraquecido, será muito mais difícil construir maiorias no Parlamento", disse Zuleeg, diretor executivo do centro de reflexão sediado em Bruxelas, especialmente em questões controversas.

Isto poderá levar a que a Comissão Europeia dependa mais de instrumentos não legislativos, como os programas de despesas ou a definição de normas, acrescentou.

A ascensão da direita radical

Com 30 lugares a mais previstos entre a ID e a ECR, a extrema-direita teria mais uma ascensão do que um aumento repentino - mas isso inclui o apoio em países frequentemente vistos como os mais fervorosamente pró-europeus.

O Rassemblement National, o partido francês liderado por Marine Le Pen, deverá ganhar mais dez lugares, tornando-se o maior partido no Parlamento Europeu, a par da CDU/CSU da Alemanha.

O holandês Geert Wilders - o surpreendente vencedor das eleições nacionais de novembro de 2023 - conquistará nove lugares.

O partido Irmãos de Itália, de Giorgia Meloni, deverá conquistar 24 dos 76 lugares de Itália. Na Bélgica, dois partidos de direita, o Interesse Flamengo e o NVA, deverão conquistar três lugares cada um. Na Alemanha, o partido AfD deverá ter 15 deputados, o que o coloca em terceiro lugar a nível nacional.

PUBLICIDADE

O académico Cas Mudde disse à Euronews que estes sucessos podem ter consequências para a política europeia, com uma linha mais dura em relação à imigração e às leis verdes.

Mas a extrema-direita nem sempre está de acordo em questões como o apoio à Ucrânia, e uma saída ao estilo do Brexit não está na ordem do dia, disse Mudde, professor da Universidade da Geórgia, EUA, especializado em extremismo populista europeu.

"De um modo geral, haverá menos apoio ao aprofundamento da integração europeia", respondeu à Euronews, num email, acrescentando que "a maioria dos partidos de extrema-direita quer transformar a UE em vez de a abandonar".

Verdes perdem apoio

A política ambiental da UE também poderá sofrer alterações, uma vez que o bloco procura reduzir as emissões em 55% até 2030.

De acordo com a sondagem, o Partido dos Verdes deverá perder 17 eurodeputados, sobretudo em França e na Alemanha, ao passo que a posição do PPE se endureceu recentemente contra as políticas verdes da UE.

PUBLICIDADE

Mas isso não significa necessariamente uma reviravolta no clima, uma vez que a UE já definiu os seus objetivos estratégicos globais, disse Jos Delbeke em entrevista à Euronews.

"Os principais atos legislativos já foram acordados" e o próximo mandato vai centrar-se mais na sua implementação, disse Delbeke, professor da Escola de Governação Transnacional de Florença e antigo responsável pelo departamento de alterações climáticas da Comissão Europeia.

O desmantelamento do acordo verde "vai ser muito difícil", apesar dos crescentes protestos dos agricultores e do trabalho ainda por fazer no combate à poluição e na proteção da natureza.

Incertezas mantêm-se

A Ipsos inquiriu 25.916 pessoas em 18 países, por telefone e online, entre 23 de fevereiro e 5 de março. Esses resultados foram depois reponderados para garantir a sua representatividade e complementados com pesquisa documental para os restantes nove membros da UE, que são mais pequenos.

Mas ainda faltam três meses - e estas são projeções, não resultados. Mesmo depois de as eleições terem terminado, poderá haver mudanças de posições ou novas coligações.

PUBLICIDADE

Um aspeto fundamental a ter em conta é o papel dos deputados "não-inscritos", que não pertencem a nenhum grupo definido e que, segundo a sondagem, poderão constituir cerca de 10% dos legisladores.

O grupo dos "não-inscritos" é composto por políticos de esquerda e centristas, mas também inclui cerca de uma dúzia de membros do partido de direita húngaro Fidesz, que abandonou o PPE em 2021. Se os tivermos em conta, o parlamento poderá ter uma maioria de direita, ainda que por uma margem estreita.

Da mesma forma, a posição do Movimento Cinco Estrelas, atualmente não filiado em Itália, poderá ser fundamental. Se conseguir juntar-se ao Partido Verde, como já tentou fazer no passado, os 16 eurodeputados previstos poderão alterar significativamente a aritmética eleitoral.

Mantenha-se a par das sondagens para as eleições europeias com o Centro de Sondagens da Euronews.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sondagem Euronews: PSD vence europeias e Chega elege pela primeira vez para o Parlamento Europeu

Centro de Sondagens Euronews: O seu guia para acompanhar o próximo Parlamento Europeu

Tudo o que precisa de saber: O seu guia para as eleições europeias de 2024