Jovens, portugueses e verdes são os mais favoráveis a uma UE mais forte: sondagem exclusiva

A sondagem exclusiva da Euronews foi publicada antes das eleições europeias de junho
A sondagem exclusiva da Euronews foi publicada antes das eleições europeias de junho Direitos de autor AP Photo
De  Jack Schickler
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um em cada cinco eleitores europeus quer ver Bruxelas ganhar mais poderes nas próxima eleições, segundo a sondagem Euronews-Ipsos.

PUBLICIDADE

Jovens, portugueses e verdes: são estes os eleitores mais suscetíveis de favorecer a atribuição de poderes adicionais à UE, de acordo com uma sondagem exclusiva produzida pela Ipsos para a Euronews.

Numa altura em que a Europa se prepara para as eleições de junho e enfrenta grandes desafios, como a transição ecológica, a subida dos preços e a guerra, a Ipsos questionou milhares de eleitores em países que representam 96% da população da UE sobre as suas opiniões políticas.

Pouco mais de um em cada cinco dos inquiridos (22%) quer dar mais poderes à UE, enquanto quase metade (46%) é a favor do reforço do poder de decisão do seu próprio país, concluiu a Ipsos.

A sondagem encomendada pela Euronews - que entrevistou 25 916 pessoas em 18 países, por telefone e em linha, entre 23 de fevereiro e 5 de março - representa a primeira sondagem pan-europeia do género antes das eleições que se realizam de 6 a 9 de junho.

Com quase 400 milhões de eleitores, o processo de seleção dos 720 deputados do Parlamento Europeu será um dos maiores exercícios democráticos do mundo.

Dos 18 Estados-Membros da UE inquiridos pela Ipsos, o sentimento pró-europeu é mais forte em Portugal, onde mais de um em cada três (36%) espera que Bruxelas resolva os grandes desafios que se avizinham, enquanto 63% dos eleitores em França preferem que as decisões sejam tomadas em Paris.

Com 41% dos seus eleitores a favor de mais poderes da UE, a coligação dos Verdes da UE - que também inclui partidos regionalistas de locais como a Córsega e a Catalunha - é o grupo político mais favorável à UE.

Em contrapartida, quase dois terços (65%) dos eleitores do ECR, de direita, e quatro quintos (78%) dos eleitores do ID querem que os problemas sejam resolvidos por cada uma das capitais, em conformidade com as credenciais nacionalistas destes partidos.

Um quarto dos jovens (18-29 anos) quer uma UE mais forte, mas essa percentagem desce para apenas 20% no grupo etário dos 50-64 anos.

Os resultados refletem projeções mais amplas que revelam um afastamento dos partidos verdes e liberais pró-europeus em direção à direita radical, o que poderá dificultar a tomada de decisões em Bruxelas nos próximos cinco anos, mesmo que se mantenha uma maioria pró-europeia.

Em França, a Ipsos prevê que o grupo centrista do Presidente Emmanuel Macron perca seis deputados europeus. O Rally Nacional, dirigido pela sua rival eurocética Marine Le Pen, poderá ganhar dez, tornando-se o segundo maior partido no Parlamento Europeu.

Os inquiridos na sondagem da Ipsos foram questionados sobre a forma como pretendiam resolver os "grandes desafios que se avizinham" - e não faltam certamente muitos deles no prato dos decisores políticos.

A UE aprovou novas leis de referência para combater as alterações climáticas, mas os seus planos para reduzir as emissões em 55% até 2030 estão a encontrar uma oposição crescente por parte dos agricultores.

Enquanto a guerra se trava na Ucrânia, a atual Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, fez da defesa do bloco uma prioridade para o seu esperado segundo mandato - embora a política militar seja normalmente vista como uma questão nacional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sondagem Euronews: PSD vence europeias e Chega elege pela primeira vez para o Parlamento Europeu

Sondagem exclusiva Euronews: grande coligação pró-UE enfrenta dificuldades, mas ainda está viva

Centro de Sondagens Euronews: O seu guia para acompanhar o próximo Parlamento Europeu