Sondagem: europeus querem uma UE mais forte nos assuntos mundiais, mas não é prioridade máxima

Desde que assumiu o cargo, Ursula von der Leyen desenvolveu relações estreitas com os seus colegas dirigentes ocidentais.
Desde que assumiu o cargo, Ursula von der Leyen desenvolveu relações estreitas com os seus colegas dirigentes ocidentais. Direitos de autor Stefan Rousseau/live
De  Jorge Liboreiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os cidadãos europeus querem que a União Europeia desempenhe um papel mais forte nos assuntos internacionais, mas este objetivo não é considerado uma prioridade máxima.

PUBLICIDADE

Esta é uma das principais conclusões de uma sondagem exclusiva da Euronews, realizada pela Ipsos junto de cerca de 26.000 inquiridos em 18 Estados-Membros, antes das eleições para o Parlamento Europeu, que se realizam entre 6 e 9 de junho.

A primeira sondagem do género mostra que 40% dos europeus consideram o reforço do peso global do bloco como uma "prioridade", enquanto 42% acreditam que este deve ser "importante mas não prioritário".

Os resultados refletem uma consciência crescente da diplomacia após anos de crises consecutivas, incluindo a pandemia de COVID-19, a invasão total da Ucrânia pela Rússia e a guerra entre Israel e o Hamas, que viram a UE assumir uma presença mais proeminente em fóruns multilaterais e coordenar a sua resposta com os seus aliados ocidentais.

Desafios como as alterações climáticas, a migração irregular, as notícias falsas e a rápida ascensão da inteligência artificial, todos eles ultrapassando as fronteiras nacionais, reforçaram ainda mais a narrativa de que a Europa não pode gerir o século XXI sozinha nem dar-se ao luxo de ficar à margem.

Ao tornar-se presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen prometeu que o seu executivo seria "geopolítico" e teria uma maior influência na cena mundial.

"Investiremos em alianças e coligações para promover os nossos valores. Promoveremos e protegeremos os interesses da Europa através de um comércio aberto e justo. Reforçaremos os nossos parceiros através da cooperação, porque parceiros fortes tornam a Europa forte também", disse von der Leyen em 2019, ao fazer a sua apresentação ao Parlamento Europeu.

"A minha Comissão não terá medo de falar a linguagem da confiança. Mas será à nossa maneira, à maneira europeia. Esta é a Comissão geopolítica que tenho em mente e de que a Europa precisa urgentemente."

Quase cinco anos depois, os europeus parecem partilhar a sua opinião, embora com menos intensidade.

Os mais fervorosos defensores de uma Europa global mais forte encontram-se em Portugal (onde 56% dizem "prioridade"), na Bulgária (50%) e em Espanha (49%). As percentagens mais elevadas de pessoas que consideram que esta questão deve ser "secundária" provêm da Polónia (28%), da Roménia (25%) e da França (21%), um país com assento permanente no Conselho de Segurança da ONU.

Na Hungria, onde o primeiro-ministro Viktor Orbán tem procurado romper com Bruxelas em matéria de política externa, uma maioria de 55% escolhe a opção "importante mas não prioritária", a percentagem mais elevada para esta resposta.

No que se refere às intenções de voto para as eleições de junho, os apoiantes declarados dos quatro partidos pró-europeus são os que mais consideram "prioritário" o reforço do papel internacional da UE: o Partido Popular Europeu (50%), os Socialistas e Democratas (50%), os liberais do Renovar a Europa (51%) e os Verdes (47%).

Em contrapartida, 35% dos apoiantes do grupo de extrema-direita Conservadores e Reformistas Europeus (ECR) e 25% dos apoiantes do grupo de extrema-direita Identidade e Democracia (ID) consideram que esta ambição deve ser uma "prioridade".

Além disso, 38% e 45% dos apoiantes do ECR e da ID, respetivamente, consideram que esta ambição deveria ser "importante mas não prioritária".

De um modo geral, entre as 10 linhas de ação inquiridas pela Ipsos, o reforço da influência global do bloco ocupa o oitavo lugar, acima da ajuda à Ucrânia e da proteção das minorias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Sondagem: Apoio dos cidadãos europeus à Ucrânia continua elevado

Metade dos europeus desaprova a política de migração da UE e exige mais controlos

UE e Reino Unido chegam a acordo sobre "grandes linhas políticas" relativamente a Gibraltar