EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Metade dos europeus desaprova a política de migração da UE e exige mais controlos

Em 2023, a UE recebeu mais de 1,14 milhões de pedidos de asilo, o nível mais elevado desde 2016.
Em 2023, a UE recebeu mais de 1,14 milhões de pedidos de asilo, o nível mais elevado desde 2016. Direitos de autor Markus Schreiber/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Markus Schreiber/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Jorge LiboreiroVincenzo Genovese
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

De acordo com uma sondagem exclusiva da Euronews, os europeus não aprovam os esforços da UE para controlar a migração irregular e exigem controlos fronteiriços mais rigorosos.

PUBLICIDADE

No que à política de migração diz respeito, 51% dos europeus têm uma avaliação "negativa" do impacto do bloco e apenas 16% têm uma visão "positiva". Já 32% dizem que o impacto não foi "nem positivo nem negativo".

Esta é uma das conclusões de uma sondagem exclusiva da Euronews, realizada pela Ipsos junto de quase 26 mil inquiridos em 18 Estados-membros, antes das eleições para o Parlamento Europeu, que se realizam entre 6 e 9 de junho.

A tendência é transversal a todos os géneros, grupos etários e profissões, e é consistente na maioria dos países, onde o lado negativo supera claramente os outros dois segmentos. A França (62%), a Áustria (60%) e a Hungria (58%) são os países mais críticos, enquanto que a Dinamarca (26%), a Roménia (27%) e a Finlândia (32%) são os menos críticos.

As variações mais pronunciadas surgem na intenção de voto: as opiniões mais duras vêm, como esperado, dos apoiantes dos grupos de extrema-direita Identidade e Democracia (78%) e  Conservadores e Reformistas Europeus (65%), seguidos da Esquerda Europeia (55%), que se situa no extremo oposto do espetro político.

Os eleitores do Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, que tem sido acusado de adotar discursos de extrema-direita para fins eleitorais, são propensos à crítica, mas de uma forma mais matizada: 46% dizem negativo, 20% dizem positivo e 34% não dizem nada.

Os que apoiam o grupo de centro-esquerda dos Socialistas e Democratas (S&D) estão indecisos: 33% dizem que é negativo, 24% dizem que é positivo e 42% não dizem nada.

Em suma, a avaliação do impacto do bloco na política de migração é a mais depreciativa das seis áreas analisadas na sondagem, incluindo as respostas à pandemia de Covid-19 e à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Os resultados surgem um mês depois de ter sido confirmado que a UE registou 1,14 milhões de pedidos de asilo em 2023, o maior número desde 2016. O aumento, constante desde o fim das restrições de confinamento, tem sido acompanhado por relatos nos meios de comunicação social sobre instalações de receção sobrecarregadas em países como a Bélgica, os Países Baixos e a Alemanha.

A narrativa ajudou a injetar um impulso político nas negociações do Novo Pacto sobre Migração e Asilo, uma reforma abrangente que introduz regras comuns para a UE gerir a chegada e a distribuição dos requerentes de asilo.

Após mais de três anos de avanços e recuos, o Pacto foi provisoriamente fechado em dezembro e encontra-se agora na fase final do processo legislativo. Mas a sua eficácia é ainda uma questão hipotética que só será respondida no próximo mandato.

A Comissão Europeia já declarou que não hesitará em recorrer a acções judiciais contra os países que não respeitarem as regras reforçadas.

Os "valores humanistas" não convencem

A insatisfação com a política de migração da UE traduz-se numa exigência generalizada de reforço dos controlos nas fronteiras para combater a migração irregular: 71% dos inquiridos na sondagem concordam que esta deve ser a principal prioridade nos próximos anos.

A Polónia (86%), a Bulgária (83%) e a Finlândia (83%) registam o nível mais elevado de apoio a esta linha de ação, que é uma opinião maioritária em todos os países inquiridos.

Em contrapartida, 28% dos europeus consideram que o bloco deveria dar prioridade a uma "política de acolhimento dos imigrantes em nome dos valores humanistas". Dois países da linha da frente no Sul da Europa, a Espanha (41%) e a Itália (39%), são os mais recetivos a esta abordagem.

Na Dinamarca, onde o governo de esquerda de Mette Frederiksen está a seguir uma política de "asilo zero", um terço dos inquiridos (34%) optaria por acolher os imigrantes.

PUBLICIDADE

Os potenciais eleitores dos partidos conservadores e liberais são os mais propensos a exigir controlos fronteiriços mais rigorosos: 91% da ID, 89% da CRE, 81% do PPE e 72% da Renivar a Europa.

Os apoiantes do grupo dos Socialistas e Democratas (S&D) dividem-se entre controlos fronteiriços mais rigorosos (57%) e valores humanistas (43%), enquanto os apoiantes dos Verdes (66%) e da Esquerda (63%) se inclinam decisivamente para estes últimos.

Mas quando se analisa o género, as faixas etárias e as profissões, os números não deixam dúvidas quanto à opção preferida: o reforço dos controlos nas fronteiras.

As atitudes mais endurecidas sugerem que as preocupações com a migração continuarão a ser elevadas quando os cidadãos forem às urnas em junho. De facto, 59% dos inquiridos afirmam que a UE deve dar prioridade à luta contra a migração irregular, o que a torna o quarto tema mais importante da agenda, a seguir ao aumento dos preços, às desigualdades sociais e ao crescimento económico, e à frente do desemprego, das alterações climáticas, da defesa coletiva e da assistência à Ucrânia.

PUBLICIDADE

Além disso, 29% dos inquiridos consideram que a luta contra a migração irregular deve ser "importante mas não prioritária" e apenas 12% consideram que deve ser "secundária".

A Finlândia é o único Estado-membro do inquérito onde mais pessoas (49%) escolhem a opção "importante mas não prioritária". Em todos os outros países, os inquiridos colocam firmemente o controlo da migração na categoria de "prioridade".

Comentando os resultados, Andrew Geddes, diretor do Centro de Política de Migração do Instituto Universitário Europeu (EUI), afirmou que as preocupações relacionadas com a migração têm sido alimentadas e politizadas por partidos de extrema-direita, como a Alternative für Deutschland (Alemanha), o Rassemblement National (França), o Partido da Liberdade (Países Baixos) e o Chega (Portugal), que têm registado um aumento nas sondagens de opinião.

"Podemos ver que a migração está a tornar-se uma questão cada vez mais importante. A sua importância está a aumentar e está a motivar o voto de sctores do eleitorado. Por isso, não é a questão mais importante, mas é importante", disse Geddes à Euronews.

PUBLICIDADE

"Penso que, fundamentalmente, se resume ao facto de as pessoas quererem ver um sistema que funcione, que funcione e que os Estados-membros possam concordar uns com os outros. Mas, em vez disso, o que se vê são Estados-membros a discordar uns dos outros sobre qual deve ser a política e disputas contínuas sobre migração".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": Acórdão sobre clima e acordo sobre migração

Sondagem: Apoio dos cidadãos europeus à Ucrânia continua elevado

Manifesto eleitoral do PPE prevê reformar política de migração e Pacto Ecológico